Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ARTIGO

Gerson Luiz Martins: "Avenida Afonso Pena fechada é válido?"

Professor da UFMS

27 JUN 19 - 02h:00

Há alguns meses a prefeitura de Campo Grande resolveu fechar a avenida Afonso Pena nos domingos para que as pessoas pudessem usar o espaço para caminhadas, passeios e outras atividades. É preciso considerar que tal ação tem inspiração na cidade de São Paulo, onde a prefeitura fecha a avenida Paulista para o transito de veículos e assim as pessoas possam passear, caminhar e promover encontros, além da possibilidade de assistir apresentações de rua, entre outras coisas. Também é preciso considerar que o fechamento da avenida Paulista acontece em todo o percurso da via e, nesta via, há apenas um parque pequeno e que não atende a demanda de circulação das pessoas. Com o fechamento da avenida Paulista, o próprio comercio se beneficia, pois a comunidade tem acesso facilitado aos mais diferentes produtos nesses estabelecimentos.

Podemos comparar essas duas avenidas? Mesmo para quem não conheça a avenida Paulista, as inúmeras notícias que focam a principal avenida da capital paulista proporcionam o entendimento do contexto da avenida, como “coração financeiro” do país e como centro de trabalho nos inúmeros escritórios situados nesse local. Então a resposta é não! Não, não é possível comparar essas duas avenidas. Têm realidades muito diferentes. Digamos que a avenida Afonso Pena é mais rural que a urbana Paulista. Em outras palavras, o que funciona na avenida Paulista não vai funcionar na avenida Afonso Pena.

Neste caso, o leitor pode concluir que o fechamento da avenida Afonso Pena se trata de um erro de planejamento urbano e não atende as necessidades da população. Em primeiro lugar o fechamento da Afonso Pena ocorre em apenas uma parte da avenida, justamente no trecho que margeia o Parque das Nações Indígenas que, diferentemente do Parque Trianon na Paulista, é grande, aberto e possui uma infraestrutura que atende toda a demanda da população para passeio, caminhada, pedalar, shows de rua, apresentações de grupos musicais, teatro e inúmeros outras atividades. O fechamento da Afonso Pena, ao contrário, penalizou os comerciantes da avenida, os grupos que fazem apresentações artísticas e outras atividades. O fechamento diminuiu e prejudico o acesso da população que se direcionam por veículos, pois diminui muito a quantidade de espaços para estacionamento. De outro lado, até mesmo por causa do calor intenso, peculiar de Campo Grande, andar pela avenida sob o sol intenso é fato que a ninguém agrada, há uma preferência claro pela caminhada no Parque das Nações Indígenas, que ainda necessita de uma forte arborização, mas, mesmo assim, é melhor que a circulação na Afonso Pena. Ou seja, ninguém caminha pela Afonso Pena. A avenida fica fechada e vazia. E ainda prejudica o comércio de ambulantes e grupos que realizam apresentações culturais. 

No caso da Afonso Pena, é recomendável ao poder público incentivar o uso do Parque das Nações Indígenas. Melhorar a arborização e criar estrutura para motivar apresentações culturais no interior do Parque. Existem inúmeros grupos que utilizam os espaços de sombra, sob as árvores, para a pratica de esportes, ioga, entre outras atividades. É ainda recomendável que se mantenha a avenida aberta para que facilite o acesso pelos veículos e assim aumente as áreas de estacionamento. Com certeza haverá efeito muito mais positivo para o uso do Parque, para os comerciantes e ambulantes que sobrevivem das vendas aos usuários do Parque, além disso vai melhorar para que as várias iniciativas de ações culturais sejam implementadas, como por exemplo de um grupo de artistas, pintores, artesões que se reúne todos os domingos nas margens da avenida para a venda dos produtos, que ajudam a comunidades carentes. Este grupo, em referência, reclama que depois que a avenida começou a ser fechada, a participação das pessoas nessa ação diminuiu sensivelmente. O bloqueio da avenida, diminuiu os espaços para estacionar os veículos e limitou o acesso das pessoas. 

Espera-se que o poder público compreenda e seja um pouco inteligente para que incentive as pessoas, ou possibilite às pessoas a “viver” o Parque das Nações Indígenas, que é local mais apropriado para passeios, lazer do domingo. Ninguém ficará na avenida para isso, com o calor forte que é característico de Campo Grande.

É um erro fechar a avenida quando se tem um grande parque ao lado para o lazer de domingo, em condições muito mais agradáveis que sob o sol no asfalto da Afonso Pena!

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta segunda-feira: "Risco da perda de propósito"

ARTIGO

Wilson Galvão: "Por que o aluno deveria limpar sua escola"

Professor e coordenador escolar
OPINIÃO

Gilberto Verardo: "Ideologia da saúde"

Psicólogo
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial de sábado e domingo: "Um novo caminho"

Mais Lidas