Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ARTIGO

Flavio A. Sandi: "Os limites e a liberdade na educação"

Professor

22 OUT 19 - 02h:00

Crianças precisam de limites, seja para a sua saúde e segurança, seja para ajudá-las a reconhecer os seus sentimentos. Estabelecer regras não é uma tarefa fácil, mas integra parte essencial no processo de desenvolvimento infantil. Quando estão diante de uma circunstância que pede limite, muitas vezes, os pais não sabem ao certo como agir e podem se sentir inseguros sobre até onde ir para não agredir a autonomia dos filhos. Afinal, como equilibrar liberdade e limite?

Por um lado, é preciso orientar sobre possíveis perigos, como onde é seguro brincar, o que é bom comer e o que não é. Por outro, é preciso enfatizar que as crianças ainda não estão preparadas para gerenciar os seus sentimentos sozinhas, por isso, precisam da ajuda e da segurança dos adultos para orientá-las. 

Isto é, mesmo que possa parecer que os filhos querem estar no controle, o que eles realmente precisam é de cuidadores com firmeza nas suas atitudes. Pode ser muito assustador para uma criança não ter limites. Isso pode desencadear sensação de ansiedade e tendência a testar mais ainda os limites quanto mais os pais cedem ou hesitam em dizer não.

Estabelecer limites não significa impedir a autonomia e a liberdade dos filhos, muito menos agir com violência para conseguir o que se quer. As crianças precisam de adultos confiantes, que ofereçam um ambiente seguro e estável. Elas precisam confiar que a família vai ajudá-la a compreender os seus sentimentos e auxiliá-la a encontrar maneiras construtivas de se expressar. 

Encontrar o equilíbrio é o segredo para não ser muito autoritário ou permissivo demais com os filhos. Para conseguir encontrar a constância no cotidiano com as crianças, é preciso tomar cuidado para não pecar pelos extremos, destacando que todas as decisões que tomamos têm consequências. Quando somos rígidos em excesso, a criança poderá ser mais revoltada. Por outro lado, a permissividade em demasia pode gerar filhos ansiosos, já que a falta de regras pode fazer com que a criança se sinta perdida.

É preciso frisar que dizer não para o filho não é traumático, muito pelo contrário. Ensinar até onde pode ou não pode ir faz parte da criação das crianças e é um ensinamento que deve ser passado pela família. Com limites claros, ela vai se ajustar e se sentir mais segura para explorar as suas possibilidades, uma parte importante do desenvolvimento infantil. À primeira vista, conceitos como liberdade e limite podem parecer desiguais, mas quando se trata de educação, são concepções que se assemelham e se apoiam. Quando trabalhados de forma equilibrada são fundamentais para ensinar o seu filho a conviver em sociedade. 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta terça-feira: "O outro lado da fronteira"

ARTIGO

Thiago Gomes da Silva: "A quem a cota zero não interessa"

Jornalista e advogado
OPINIÃO

Joel Mesquisa: "O Brasil de hoje"

Sociólogo
Roberta D'Albuquerque: "O presente"
ARTIGO

Roberta D'Albuquerque: "O presente"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião