Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORREIO DO ESTADO

Editorial deste domingo: "Mercado estagnado"

Editorial deste domingo: "Mercado estagnado"
16/08/2015 00:00 -


O esfriamento do mercado imobiliário é reflexo das consequências da política econômica, que ainda não teve alteração substancial, mesmo após os ajustes fiscais.

A crise na construção civil é uma realidade há meses no País. Projetos foram suspensos, trabalhadores demitidos e o que está à venda, permanece, sem compradores à vista. Com tantos imóveis à disposição, não é de se estranhar que a retração também não tardaria a chegar ao mercado de locação. Reportagem publicada na edição de hoje do Correio do Estado mostra que há estoque de imóveis no mercado em Campo Grande e índice de inadimplência que chega a 10%,  segundo o presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis de Mato Grosso do Sul (Sindimóveis-MS), James Antônio Gomes. Embora seja percentual aparentemente baixo, demonstra que muitos estão deixando de pagar contas consideradas prioritárias por falta de condições.

Em Campo Grande, o preço dos aluguéis teve reajuste de 7,5% nos últimos doze meses, índice que fica abaixo da inflação do período, que é de 9,39%. Mesmo assim, o mercado na capital está percebendo redução no fechamento dos contratos e, para evitar que o cenário fique pior, o valor de locação está sendo reduzido, na tentativa de atrair novos inquilinos. Profissionais do setor também citam outra mudança que comprometeu, e muito, as negociações: no segundo semestre do ano, era esperado aumento nas locações, por causa de público específico: estudantes universitários de outras cidades. Cortes do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) o fim dos vestibulares de inverno (com cursos no meio do ano), o número estudantes de fora caiu. Os que vem para Campo Grande optam em dividir o imóvel com mais três ou quatro pessoas, para economizar.

A saída é tentar administrar a situação, já que profissionais do ramo imobiliário admitem que não sabem quando haverá mudança no cenário. O esfriamento do mercado é reflexo das consequências da política econômica, que ainda não teve alteração substancial, mesmo após os ajustes fiscais do governo federal. O quadro pessimista abala a confiança dos consumidores, que tendem a não fazer novas dívidas e, pior, aumenta a inadimplência em vários setores. Em outra reportagem do Correio do Estado, divulgada há algumas semanas, foi mostrada a desocupação de imóveis na região central de Campo Grande. Comerciantes não conseguiram pagar pelo valor do aluguel e, com outras dívidas, encerraram as atividades. Para os que conseguiram ainda manter a atividade, a estratégia adotada foi transferir o negócio para bairros, com locação mais barata, além do corte de funcionários e outros gastos.  No caso de compra e venda, as  empresas suspendem lançamento de novos projetos, até que o estoque seja comercializado, o que, a médio prazo, não  deve acontecer.  O governo federal estima que os efeitos do  ajuste comecem apenas em 2016, mas está difícil acompanhar essa estimativa positiva da forma que a economia reage.

No quadro atual, especialistas do setor apontam, uma vantagem, pelo menos, para quem está prestes a encerrar o contrato: é uma boa hora para tentar renegociar valores, desde que tenha histórico favorável de bom pagador e de ter responsabilidade com imóvel. Para o locatário, é alternativa para não ver o inquilino sair e ficar com imóvel desocupado, sem prazo para ser alugado. 

Felpuda


Nos bastidores poderosos, comentários são de que dois pretensos pré-candidatos estão deixando em polvorosa quem tinha quase certeza de que tudo estava em total “céu de brigadeiro”. Assim, enquanto ambos se movimentam aqui e acolá, o lado de lá está pensando no que fazer para evitar futuro confronto. Vale ressaltar que a dupla tem experiência que só no campo de guerra das eleições – e o desempenho não ficou a desejar.