Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CORREIO DO ESTADO

Editorial desta terça-feira: "Herança maldita"

18 AGO 15 - 00h:00

Dilma pode até ficar no cargo, como ela mesma brada, insensível à opinião pública. Porém, em pouquíssimo tempo, conseguiu destruir o PT

Domingo foi dia de manifestações em várias cidades do País. Em Campo Grande,  foram cerca de três mil pessoas na Praça do Rádio, região central da cidade.  Durante o ato, um abaixo-assinado foi  feito, reivindicando mais rigor nas leis anti-corrupção, material que será levado ao Ministério Público Federal. Os eternos defensores da gestão petista evidenciaram que o número teria sido menor do que nos protestos anteriormente realizados, mas, isso não tira a legitimidade  da indignação dos que foram às ruas. Tanto não pode ser considerado menor que, ontem, foi realizada reunião de coordenação política da presidente da República Dilma Rousseff para tentar “quebrar o clima de pessimismo” e “garantir condições econômicas” de governabilidade. 

O sinal de alerta ligado no Palácio do  Planalto parece um pouco tardio, se for levada em conta a pesquisa Datafolha feita com os manifestantes que estiveram  na Avenida Paulista.  Dos entrevistados, 85% não vislumbram outro caminho a não ser a renúncia de Dilma, porém, metade acredita que la realmente vá deixar o cargo. Do total dos pesquisados, 95% consideram o governo ruim ou péssimo. Os índices pareceriam óbvios, por terem sido colhidos em ato contra a presidente, mas seguem tendência nacional, conforme levantamento  feito anteriormente pelo Datafolha, no início de agosto, em que 72% reprovavam a gestão, resultado superou as piores taxas registradas por Fernando Collor (1990-92), no período em que estava prestes a sofrer processo de impeachment.  Na pesquisa anterior, em junho, o percentual de rejeição era de  65%. Os detratores do movimento não podem reclamar de  maciça desinformação:  69% souberam responder corretamente que Michel Temer assumiria o cargo, na eventual saída da presidente.

Dilma pode até ficar no cargo, como ela mesma brada, insensível à opinião pública. Porém, em pouquíssimo tempo, conseguiu destruir o PT, partido que demorou para chegar ao poder,  teve ascensão meteórica com  o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e, agora, e padece de  credibilidade, envolvido em escândalos de corrupção, desvio de recursos e superfaturamento. Capítulo triste da história política, que também arrasta o Brasil para a retração econômica, desemprego e aumento da inadimplência, efeito cascata inevitável  em consequência da política econômica adotada pelos petistas. A legenda não tem nome forte, capaz de reverter o cenário tão negativo. Mesmo Lula, não conseguiria repetir o feito de 200: em  julho, pesquisa Ibope  mostrou que  o ex-presidente perderia a disputa, em eventual segundo turno, para Aécio Neves (PSDB-MG). Mesmo se o embate fosse com Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, haveria empate técnico, situação difícil de  se imaginar em outros tempos.    

O que fica para o PT, agora, é a herança maldita das tomadas de decisões equivocadas, da teimosia e intransigência da presidente e do escancaramento da corrupção que tomou conta da administração. É difícil enxergar uma estratégia que possibilite  o partido de reerguer-se do escândalo. Mesmo quem está pulando do barco, está marcado pela estrela petista. Os eleitores não vão esquecer disso.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta: "Solução inteligente"

ARTIGO

Guilherme Bellotti: "Safra 19/20: menos gordura e mais risco"

Analista de agronegócio
OPINIÃO

Gilson Cavalcanti Ricci: "O amor não é conceito, é prática"

Advogado
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quinta-feira: "Injeção de ânimo"

Mais Lidas