Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CORREIO DO ESTADO

Editorial desta quinta-feira: "Ressaca política"

27 AGO 15 - 00h:00

Estamos em campo minado, ao aguardo de como será a gestão que, caso não tenha alteração alguma, terá pouco mais de um ano para tentar “ajeitar a casa” até a próxima eleição

Passada a turbulência dos últimos dias, hoje está prevista a recondução oficial de Alcides Bernal ao cargo de prefeito de Campo Grande. A população ainda se recupera das emoções do dia 25 de agosto, véspera do aniversário da cidade, com o afastamento de Gilmar Olarte e do presidente da Câmara de Vereadores, Mario Cesar, além, claro, do retorno de Bernal ao Executivo. Agora, estamos em campo minado, ao aguardo de como será a gestão que, caso não tenha alteração alguma, terá pouco mais de um ano para tentar “ajeitar a casa” até a próxima eleição municipal.

O prefeito que assume o cargo foi um dos grandes responsáveis pelo caos que a cidade vive atualmente. Na inexperiência e falta de tato, não conseguiu manter diálogo com a Câmara de Vereadores, e os ânimos se acirraram rapidamente. Acusado de irregularidades, foi cassado por 23 votos a 6, em episódio hoje colocado em dúvida e sob investigação na Operação Coffee Break, do Ministério Público Estadual (MPE). Independentemente do esquema de votação, os rumos da gestão de Bernal já eram colocados em dúvida. O prefeito afastado, que teve a chance de consertar os erros do antecessor, contribuiu negativamente para a cidade. Embora também tenha sido atingido pela crise econômica nacional, não conseguiu colocar ordem nas contas e ainda promoveu inexplicável inchaço da máquina, com contratação de 1.044 comissionados. Foi na administração de Olarte que as greves recrudesceram, e os salários começaram a ser pagos em atraso e escalonados, o que não acontecia há mais de duas décadas.

O atual quadro não poderia ser mais desastroso. A queda de repasse do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de 22% para 21,4%, representou corte de R$ 100 milhões na receita de 2015. Os gastos com pessoal estão, desde o início do ano, oscilando perigosamente no patamar máximo permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Os médicos continuam em greve, ainda reivindicando reajuste salarial e mudança no número de plantões.

Bernal anunciou que pretende fazer auditoria, mesmo discurso de quando assumiu a prefeitura, em 2013. Porém, desta vez, já ensaiou diálogo com os vereadores, marcando reunião com os parlamentares e com os professores, que encerraram a greve há poucos dias. A estratégia do “novo” prefeito ainda é incógnita; espera-se, desta vez, mais tato e poder de diálogo, para que se permita a retomada do desenvolvimento da cidade, estagnada desde que os embates políticos começaram. Será necessário cautela e avaliação cuidadosa do que se tem a fazer por Campo Grande. 

A prefeitura, hoje, é campo minado para se locomover. Após o afastamento de Olarte, vários comissionados abandonaram o barco, cientes de que o tempo deles, por ora, acabou. Porém, o secretariado ainda é da gestão anterior, e Bernal disse, sucintamente, que não pretende demitir todos, por causa da necessidade de manutenção da máquina. A população aguarda, escaldada, pelos novos capítulos da novela que se tornou o que era para ser a renovação política. Mais sobressaltos e incertezas não são bem-vindos.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quinta-feira: "Autofagia estatal"

ARTIGO

Rodrigo Capella: "O agronegócio e o meio ambiente"

OPINIÃO

Daniel Magnoni: "Fome oculta, um problema de saúde pública"

Médico. Diretor de Serviço de Nutrologia e Nutrição Clínica do Hospital do Coração – Hcor
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "Mais impostos, retorno mínimo"

Mais Lidas