Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OPINIÃO

Cristiane Lang: "Precisamos falar sobre o câncer de próstata"

Psicóloga

5 NOV 19 - 01h:00

Novembro Azul um movimento mundial que acontece durante o mês de novembro, e teve origem em 2003, na Austrália, para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. A doença é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros – de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), estimava-se que seriam até 68 mil novos casos da doença até o final de 2018. E as maiores vítimas são homens a partir dos 50 anos, além de pessoas com presença da doença em parentes de primeiro grau, como pai, irmão ou f ilho. A Fundação do Câncer desenvolveu uma campanha especial para a data, para alertar a população para a doença, baseada nos tabus que rondam o comportamento masculino: “Homem não chora. Homem tem que ser forte. Homem não cozinha. Homem não passa roupa. Homem não lava louça. Homem não fica doente. Homem não morre.”, com a ideia de tornar os homens mais conscientes e alerta-los para alguns preconceitos que podem colocar em risco suas vidas.

Tipo mais comum de câncer entre os homens, o câncer de próstata é a causa de morte de 28,6% da população masculina, que envolve neoplasias malignas, ou pode-se dizer que no Brasil um homem morre a cada 38 minutos devido ao câncer de próstata, segundo os mais recentes dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Como na fase inicial o câncer de próstata não apresenta sintomas, cerca de 95% dos tumores já estão em fase adiantada quando diagnosticados, dificultando a cura.  Na fase avançada os sintomas são dor óssea, dores ao urinar, vontade de urinar com frequência, presença de sangue na urina e/ou sêmen. Os fatores de risco podem incluir histórico familiar, e obesidade, e homens negros tendem a sofrer maior incidência deste tipo de câncer. A única forma de garantir a cura do câncer de próstata é o diagnóstico precoce, por isto mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores de risco , ou 50 sem estes fatores, devem ir ao médico para conversar sobre o exame de toque retal, para avaliar alterações na glândula (próstata), e sobre o exame de PSA (antígeno prostático específico). Dependendo dos resultados, será indicado o melhor tratamento para o caso, que vai depender de vários aspectos, como estado da saúde atual, grau de avanço da doença e expectativa de vida. (Agência Brasil e Sociedade Brasileira de Urologia).

Este sentimento de impotência repercute com uma ferida na vida dos pacientes com câncer de próstata. Existe uma evolução na Medicina em termos de possibilidades de tratamento, mas observa-se, por se tratar de um órgão que afeta a sensibilidade sexual masculina, o sentimento de impotência está presente em todos os pacientes testados, mesmo naqueles onde a impotência é transitória. Isto pode produzir ou aumentar a ansiedade ou depressão, diminuindo as sensações sexuais.

O término de um tratamento de câncer é motivo de muita alegria e alívio para o paciente e seus familiares, mas ao mesmo tempo desperta outros sentimentos, como medo, ansiedade e insegurança. Retomar a vida que levava antes do câncer pode deixar o paciente tenso e apreensivo, com dificuldades para traçar planos para o futuro, dificuldade nos relacionamentos, e receio da volta da doença, e este medo não é irracional. Estes sentimentos não são mensuráveis, mas podem ser intensos e devastadores, sendo profundamente necessário um acompanhamento psicológico, não somente no momento do descobrimento da doença, mas durante o processo de tratamento, bem como no pós câncer. Este acompa nhamento psicológico é fundamental para amenizar os sentimentos que surgem durante todo o processo, ajudando o paciente, bem como sua família, a entender as próprias emoções e processar o que é novo, com técnicas de enfrentamento da doença, e assimilação das mudanças que ocorrem com ela. Com isso, ocorre a redução da ansiedade e do sofrimento, melhorando consideravelmente a qualidade de vida do paciente. O psicólogo irá individualizar a abordagem e trabalhar encima das peculiaridades de cada um. O impacto do apoio psicológico em pacientes com câncer de próstata em todas suas fases resulta em redução dos sintomas depressivos, e em conjunto com uma equipe multidisciplinar traz melhora da qualidade de vida ao paciente e sua família.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial deste sábado/domingo: "Desafios de fim de ano"

ARTIGO

Venildo Trevisan: "Para onde vamos?"

Frei
OPINIÃO

Gustavo Milaré: "Os cuidados e direitos do consumidor na Black Friday"

Advogado
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta-feira: "O que nos representa"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião