Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta terça-feira: "O pragmatismo sempre vence"

22 OUT 19 - 03h:00

O vetor do crescimento econômico planetário está na Ásia. Apesar da grande distância do Brasil daquele continente, é inteligente cultivar boas relações com os países do Oriente.

Uma das características das economias liberais é o pragmatismo. Isso ocorre porque esta mesma corrente, que valoriza o êxito atingido por meios práticos e simples, e não complexos, melhora o desempenho de qualquer sistema. É por meio da rapidez na tomada de decisões – não menos pensadas, é bom que se fique claro – que se economiza tempo para produzir mais. 

Nas relações internacionais, o pragmatismo é um modo importante de se buscar bons resultados – para ambos os lados – nas negociações envolvendo nações soberanas. O soft power e o pragmatismo sempre foram características marcantes da diplomacia brasileira. Desde o início do ano, o soft power deixou de ser protagonista, mas, ao contráriodo que muitos pensam, o pragmatismo em nossas relações internacionais continua extremamente presente. 

A viagem do presidente da República, Jair Bolsonaro, à China, acompanhado de vários integrantes do primeiro escalão, entre eles a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, simboliza a manutenção do pragmatismo do Brasil nas relações internacionais. Se fosse por causa de preferências ideológicas, certamente que o atual presidente preferiria reduzir suas relações com um país administrado por um partido comunista há décadas. Mas, certamente, o Brasil não seria ingênuo o suficiente para romper alguma relação com seu maior parceiro comercial e além: um dos países que mais investem em empreendimentos por aqui.

Em meio a uma tensão comercial nas negociações envolvendo os Estados Unidos e a China, as duas maiores potências econômicas do planeta, a viagem de Bolsonaro à China é simbólica, sobretudo, porque mostra que o Brasil continua mantendo firme o interesse de manter as boas relações com seu grande parceiro. Também é importantíssimo o papel da ministra Tereza Cristina, de manter o pragmatismo acima de tudo e os bons resultados do Brasil acima de todos, quando se trata de estratégia comercial para um dos setores mais fortes de nossa economia: o agronegócio.

Os números não mentem. O vetor do crescimento econômico planetário (assim como o populacional) está na Ásia. Apesar da grande distância do Brasil daquele continente, é inteligente cultivar boas relações com os países do Oriente e também estreitar estes milhares de quilômetros que nos separam. 

Neste aspecto, Mato Grosso do Sul e os entusiastas da Rota Bioceânica também terão papel fundamental. A saída pelo Oceano Pacífico encurta o caminho rumo ao nosso maior parceiro comercial.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta terça-feira: "O outro lado da fronteira"

ARTIGO

Thiago Gomes da Silva: "A quem a cota zero não interessa"

Jornalista e advogado
OPINIÃO

Joel Mesquisa: "O Brasil de hoje"

Sociólogo
Roberta D'Albuquerque: "O presente"
ARTIGO

Roberta D'Albuquerque: "O presente"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião