Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 13 de novembro de 2018

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta-feira: "MS mantém o prestígio"

9 NOV 2018Por 03h:00

Tereza Cristina, futura ministra da Agricultura, terá papel importantíssimo na gestão Jair Bolsonaro. Sua primeira missão, será garantir as altas exportações brasileiras

É uma boa notícia a nomeação da deputada federal por Mato Grosso do Sul, reeleita para mais quatro anos, Tereza Cristina (DEM), para o Ministério da Agricultura. Em primeiro lugar, porque mantém o prestígio do Estado no primeiro escalão do governo federal, sobretudo em uma gestão cujo início será marcado pela redução do número de ministérios. Atualmente, o Estado que conta com o deputado Carlos Marun no cargo de ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, outra função importante na organização do Poder Executivo Federal.

Com uma população de aproximadamente 2,7 milhões de habitantes, inferior a de muitas outras capitais brasileiras, Mato Grosso do Sul mantém um prestígio que, respeitada as devidas proporções, está entre os maiores quando comparado com outras unidades da federação. A confirmação de Tereza Cristina é positiva não somente para o Estado, mas para todo o País.

A nova ministra da Agricultura e Pecuária terá papel importantíssimo na gestão Jair Bolsonaro, não somente porque emprestará ao presidente eleito, sua experiência com agronegócio, mas também porque será um ponto de equilíbrio entre o discurso do futuro mandatário - muitas vezes radical para alguns - e parceiros comerciais de outros países. Um dos exemplos de como Tereza poderá atuar será para garantir as volumosas e importantíssimas exportações para a China, o maior parceiro do Brasil atualmente, e a segunda maior economia do planeta.

O país asiático ocupa lugar de muito destaque nas compras das principais produtos produzidos no Estado, como por exemplo o papel e celulose, a soja e também carnes bovinas, suína e de frango. A futura ministra, que também é produtora rural, terá o acesso e a liberdade suficiente para sensibilizar Jair Bolsonaro a se preocupar mais com o efeito de suas declarações no mercado externo. Diga-se de passagem, já chega o momento do presidente eleito deixar o discurso - mais contundente - utilizado no período eleitoral, para trás.

Na bancada dos parlamentares que representam o agronegócio, Tereza Cristina teve grande destaque. Agora, porém, terá um grande desafio pela frente, que é o de não somente reivindicar, mas o de administrar a pasta, que responde pelo setor que salvou a balança comercial brasileira nos anos de crise. No ministério da Agricultura - que quase também foi também o do Meio Ambiente - a deputada de MS terá de conciliar a expectativa de aumentar e melhorar a produção agrícola e, ao mesmo tempo, garantir a preservação de nossos principais ecossistemas. Que ela tenha sucesso nesta missão. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também