CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta segunda-feira: "O ano da estratégia"

Confira o editorial desta segunda-feira: "O ano da estratégia"
10/06/2019 03:00 -


O ano de 2019 será determinante para a logística em Mato Grosso do Sul. A infraestrutura que participará ativamente do crescimento econômico do Estado está sendo planejada e viabilizada neste ano e terá importância fundamental para facilitar os projetos e investimentos no setor agroindustrial que virão.

Somente na semana passada, tivemos duas boas notícias relacionadas a investimentos que estão por vir e que precisarão de recursos em infraestrutura para que tenham ainda mais êxito. O primeiro deles é o destravamento da compra da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (UFN3) de Três Lagoas pela empresa russa Acron. O empreendimento lançado e 80% executado pela Petrobras finalmente foi liberado para ser passado a um grupo que tenha poder financeiro para concluí-lo.

O investimento não é pequeno: o negócio é de 8,2 bilhões, sendo que R$ 5 bilhões serão aplicados nas obras que restam para que a fábrica, que poderá ser a maior da América Latina, fique pronta. Quando pronta, a FN3 demandará grande quantidade de gás natural importado da Bolívia, e o transporte dos produtos que ela produzirá demandará boas rodovias – e ferrovias.

No outro extremo de Mato Grosso do Sul, no oeste do Estado, a semana passada também foi de boas notícias. O governador Reinaldo Azambuja esteve na Bolívia, e lá teve o compromisso das autoridades locais de fornecer gás natural para a construção de uma usina termelétrica em Corumbá ou Ladário. Também trata-se de um investimento que supera a marca de R$ 1 bilhão.

O acordo com o governo boliviano vai além: possibilita a compra de ureia do país vizinho, insumo que o agronegócio em Mato Grosso do Sul precisa. Como vemos, há movimentos nos dois extremos geográficos de Mato Grosso do Sul, o que justificaria mais investimentos na estrutura da BR-262, que liga estas duas cidades e passa pela capital, Campo Grande. Mas não é só isso. É importantíssimo que os trilhos da antiga ferrovia Noroeste do Brasil – que também liga os dois pontos – seja reativada.

Se, em um passado recente, a concessionária da ferrovia alegou baixa demanda para encerrar as atividades neste caminho – sobre o qual Mato Grosso do Sul se desenvolveu – certamente, a falta de materiais para serem transportados não será problema. Muito se fala em Rota Bioceânica, mas a ferrovia existente tem o poder de ligar os oceanos Atlântico e Pacífico; basta que as autoridades tenham vontade.

Aparentemente, com o projeto da Ferrovia Transamericana, os políticos parecem ter esse objetivo. Esperamos que estes planos se concretizem.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".