Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quinta-feira: "Injeção de ânimo"

18 JUL 19 - 03h:00

Além de liberar um volume bilionário de recursos do FGTS, os governantes devem cultivar esperança e otimismo na população.

O governo do presidente Jair Bolsonaro anunciou ontem a intenção de, nos próximos dias, liberar até R$ 42 bilhões de saques de contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) nos próximos meses, conforme o leitor poderá conferir com mais detalhes em reportagem publicada na edição. A medida busca um impacto semelhante às ações do antecessor no cargo, Michel Temer. As ações dos últimos dois anos, tiveram êxito no propósito de reaquecer uma combalida economia naquele período.

A intenção do governo atual é mudar o cenário que caminha para a recessão, se nada for feito no segundo semestre. A cada boletim do Banco Central, a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto é revisada para baixo. Para este ano, um cenário de estagnação da economia está desenhado, e a perspectiva é de crescimento inferior a 1%. Economistas atribuem o cenário difícil do primeiro semestre, de baixa atividade econômica, à decisão de reter verbas, contingenciar o orçamento, e concentrar todas as forças do governo na reforma da Previdência. Com a aprovação da proposta de emenda constitucional que altera o sistema de aposentadoria em primeiro turno (ainda falta uma votação na Câmara e tramitar no Senado), mais investimentos privados devem ocorrer, além de liberar a equipe ecônomica para buscar soluções para reaquecer o mercado de consumo.

Neste sentido, os R$ 42 bilhões que devem ser injetados na economia brasileira serão importantes para dar fôlego aos setores que dependem de demanda. Mas de nada adiantará o fôlego se os cidadãos não tiverem a confiança necessária na economia para consumir. E esta confiança também depende de critérios subjetivos, como por exemplo, o otimismo quanto ao futuro. É natural que alguém que teme dias piores, represe o dinheiro que recebe: por isso há expectativa de deslocamento de boa parte destes recursos para os bancos.

Além de liberar este volume bilionário de recursos do FGTS, os governantes devem cultivar esperança e otimismo na população. O dinheiro que estará disponível em breve para saque será um bom estímulo para começar uma nova fase, que só se consolidará com ações de caráter permanente e que levem segurança aos que investem, consomem e que, consequentemente, gerem mais oportunidades de trabalho.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial deste sábado (23): "Prevenir é sempre melhor"

ARTIGO

Venildo Trevizan: "Caminhos"

Frei
OPINIÃO

Gilberto Verardo: "Trilhos do tempo"

Psicólogo
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta-feira: "Integração e desenvolvimento"

Mais Lidas