Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quinta-feira: "Desprezo aos programas"

27 JUN 19 - 03h:00

O desprezo a projetos como estes do SUS, que banca implantes dentários, parece muito mais uma reserva de mercado, do que propriamente falta dinheiro. Aliás, existe verba para isso.

Um belo e contagiante sorriso transforma vidas. Em primeiro lugar, que uma pessoa sorridente, contagia os que estão ao seu lado, e que - certamente - quem sorri com mais frequência, tem muito mais portas abertas do que os que preferem conter (quando têm) algum entusiasmo em mostrar sua feição mais alegre.

Um bom sorriso está ligado diretamente à saúde bucal de uma pessoa. Normalmente, quem teve o privilégio de ter poucos problemas bucais - funcionais ou estéticos - durante a vida, têm o privilégio de sorrir com mais frequência. Não é preciso ser nenhum especialista para vincular uma boca saudável à autoestima de uma pessoa. E olhe que, num primeiro momento, estamos falando apenas da aparência, mas é importante lembrar que pessoas que chegam a perder o dente, e precisam de uma prótese ou um implante, têm dificuldades muito maiores, ligadas ao paladar e restrições alimentares, ou até mesmo para se relacionar socialmente.

Reportagem publicada nesta edição mostra que, desde 2011, o Sistema Único de Saúde (SUS) reserva recursos para realizar, sem custo nenhum ao cidadão, procedimentos deste tipo. A mesma reportagem também apresenta informações importantes como que, durante todo esse tempo, nenhuma das 79 prefeituras de Mato Grosso do Sul se interessou por tais procedimentos financiados pelo governo federal. O município de Paranaíba foi o primeiro a quebrar este ciclo, e esperamos que muitos outros também façam sua adesão ao projeto.

Em muitos casos, é mais cômodo para os cidadãos, ou mesmo para os outros entes federativos, sobretudo os chefes do Poder Executivo dos municípios, atribuir todos seus problemas à falta de dinheiro. Este argumento, porém, não absolve ninguém. Se falta dinheiro para eles, imagine para a maioria da população? Diga-se de passagem, o desprezo a projetos como estes do SUS, parece muito mais uma reserva de mercado, do que propriamente falta dinheiro. Aliás, dinheiro para transplantes e implantes de dentes bancados pelo governo federal tem. O que não existe são projetos e vontade política para oferecer este serviço à população.

A iniciativa da prefeitura de Paranaíba é digna de exemplo. Esperamos que ela inspire outros prefeitos do Estado que eles, ainda que tardiamente, pesquisem meios de aderir não somente a este programa de governo, mas a outras oportunidades que existem e não são aproveitadas.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta segunda-feira: "Risco da perda de propósito"

ARTIGO

Wilson Galvão: "Por que o aluno deveria limpar sua escola"

Professor e coordenador escolar
OPINIÃO

Gilberto Verardo: "Ideologia da saúde"

Psicólogo
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial de sábado e domingo: "Um novo caminho"

Mais Lidas