Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "Sacrifício deve ser para todos"

4 DEZ 19 - 03h:00

Na reforma da Previdência, não deve haver distinção, muito menos camarote ou área vip para algumas classes de servidores públicos.

Desde o ano passado, quando a reforma da Previdência começou a ser discutida em âmbito nacional, uma das palavras mais utilizadas por seus propositores e também por aqueles que ficaram na linha de frente das mudanças que alteraram o regime de contribuição da maioria das pessoas foi “sacrifício”. Basta uma simples pesquisa em qualquer buscador da internet com as palavras previdência e sacrifício para se ter ideia da argumentação.

Não há como discordar que se tratou de um sacrifício. De fato, na reforma da Previdência promulgada no mês passado para os trabalhadores do regime geral e também para os servidores federais, algumas classes de contribuintes foram sacrificadas. Outras perderam, mas foram submetidas a perdas menores. Exemplo disso é o que ocorreu com militares, que escaparam da reforma, e com policiais e integrantes do Poder Judiciário, como os magistrados.

Os dicionários da língua portuguesa atribuem vários significados à palavra sacrifício. Imolação, oferenda, oferta à divindade por expiação de culpa, renúncia, privações a que alguém se sujeite em benefício de outrem, custa, esforço e sofrimento. Essas são algumas das definições deste termo de nossa língua, largamente utilizado para tornar mais difícil o pagamento dos benefícios previdenciários e ajudar o poder público a economizar recursos para poder voltar a investir.

É importante destacar que, de fato, reformar a Previdência foi e continua sendo uma necessidade e, só por isso, trata-se de fato de uma tarefa muito custosa. Sobretudo, aos que estão na linha de frente e têm a responsabilidade de tomar alguma atitude: caso dos representantes do Poder Executivo e do Poder Legislativo.

O que não é justo é permitir que os servidores que estão no topo, autoridades providas de boas remunerações, escapem às regras destinadas aos demais cidadãos. Até onde sabemos, pelo menos oficialmente, o Brasil, muito menos Mato Grosso do Sul, não é uma sociedade baseada no sistema de castas.

Os trabalhadores do setor privado, da saúde, da educação e de tantas outras áreas já foram submetidos aos sacrifícios da reforma. Muitos já poupam – ou pelo menos tentam – para ter um pouco mais de conforto para quando chegar a época de aposentar-se. O mesmo deve ocorrer com as autoridades que estão no topo do serviço público e que integram instituições fora do Poder Executivo, até porque a renda mensal de muitos desses cidadãos ultrapassa a casa das dezenas de milhares de reais, valor suficiente para poupar por conta própria visando sua particular previdência.

É preciso que essas autoridades tenham cuidado com o tratamento vertical e desigual que querem impor ao restante dos cidadãos. São os contribuintes que bancam o salário deles. Na reforma da Previdência não deve haver distinção, muito menos camarote ou área vip para alguns.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial deste sábado/domingo: "A reinvenção da máquina pública"

ARTIGO

Venildo Trevisan: "Alegria"

Frei
OPINIÃO

Acedriana Vicente Vogel: "Entre a pressa e a preguiça"

Diretora pedagógica do Positivo
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta-feira: "Recuperação já começou"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião