Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial de sábado e domingo: "Alternativa perigosa"

Confira o editorial de sábado e domingo: "Alternativa perigosa"
18/05/2019 03:00 -


A pesar de não ser crime, dirigir sem estar devidamente habilitado é errado. E caso a pessoa que assuma o risco de dirigir sem ter a devida capacidade para tal provoque algum acidente, ou mesmo a morte de outra pessoa - ou até a sua própria -, está sujeita as devidas punições.

Quem conduz motos, carros e outros veículos sem ter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) está ciente dos riscos, que são inúmeros. Mas muitas pessoas nesta situação tentam se justificar de diferentes maneiras, para se manterem irregulares. A principal "desculpa", de acordo com o Departamento Estado de Trânsito (Detran-MS) e o Batalhão de Polícia Militar de Trânsito (BPMTran) é a crise financeira, e por conta do preço exorbitante para se obter uma habilitação que pode ultrapassar R$ 2,5 mil, muitos se arriscam a dirigir sem o documento. 

Mas além de não terem o devido preparo para tal, os mesmos infratores cometem outras ilegalidades, como dirigir sob efeito de álcool e drogas, exceder o limite de velocidade, não utilizar o cinto de segurança, entre outras faltas graves que também tornam o trânsito perigoso e mortal.

Enquanto a quantidade de novas habilitações emitidas vem caindo ano a ano, as vítimas fatais do trânsito em Campo Grande só aumentam. De 2017 até agora, 180 pessoas morreram em acidentes na Capital - 70 naquele ano, 84 em 2018. Nos quatro primeiros meses deste ano já foram 23 mortes.

Condutores sem habilitação trafegando pela cidade não são os únicos que causam acidentes, é fato. Mas na grande maioria das vezes pessoas sem habilitação estão envolvidas nos casos, seja com ou sem vítimas.

Além da fiscalização que deve ser ponto central para a polícia e órgãos de trânsito, cada  um deve assumir sua própria parcela de cuidado consigo mesmo e com o próximo. Algo simples como a CNH pode ser o começo de uma mudança maior, onde cada um e todos respeitam regras e lei estabelecidas.

O brasileiro é conhecido dentro de fora do País, por querer "se dar bem" diante de qualquer situação adversa. Porém não existe a possibilidade de sair ganhando quando todos perdem. Talvez a falta de punição efetiva para quem é inabilitado e "apenas" dirige sem causar nenhum problema, seja um dos motivos da persistência em fazer o errado. 

Felpuda


Pré-candidato pode estar sendo “fritado” sem ao menos perceber. Redes sociais que têm estreitas ligações com ex-cabecinhas coroadas e que prometeram apoio estão enaltecendo que só certo pré-candidato de outro partido. Quem conhece as ditas figurinhas de, digamos, outros carnavais, acredita que está em curso operação sorrateira para mudar internamente os rumos da futura campanha. Trocando em miúdo: ceder a cabeça de chapa.