17 vítimas dê tragédia aérea já foram resgatadas

17 vítimas dê tragédia aérea já foram resgatadas
07/06/2009 20:00 -


     

                Da redação

                O Comando da Marinha informou no início da noite de domingo que até o momento já foram recolhidos 17 corpos pelas equipes brasileira e francesa de buscas, além, de dezenas de novos componentes estruturais da aeronave. Oito corpos foram recolhidos por uma fragata francesa e se encontram na área de busca.

                A Fragata Constituição está a caminho de Fernando de Noronha, trazendo os 5 resgatados, entre sábado e manhã de domingo, e mais quatro cadáveres recolhidos ao longo do dia. Quatro são do sexo feminino e quatro do sexo feminino. Um dos corpos não teve o sexo identificado. A identificação será feita em trabalho conjunto da Polícia Federal e Polícia Civil de Pernambuco. Exames de legistas e a liberação dos corpos será feita pelo IML de Pernambuco em Recife. Seis navios, sendo 5 brasileiros e um francês, e catorze aeronaves, sendo 12 do Brasil e 2 da França, continuam com as buscas na área.
                A busca e o resgate de corpos e destroços são de responsabilidade da Marinha e Aeronáutica brasileiras. O ressarcimento de pertences dos passageiros é de responsabilidade da empresa aérea. A investigação do acidente é de responsabilidade das autoridades francesas.

                O tenente-coronel da Aeronáutica Henry Munhoz informou que há uma dificuldade logística entre o local onde os corpos foram encontrados e Recife, já que a distância é muito grande. "A distância equivale à distância entre São Paulo e Porto Alegre. Se fosse de ônibus, seria feito em 18 horas. Considerando que é feito de navio, que tem limitações, pode demorar mais. A operação durará o tempo que for necessário para fazer o resgate de tudo o que for possível", afirmou. (informações do Estadão)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".