Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

400 universidades brasileiras adotarão modelo europeu

400 universidades brasileiras adotarão modelo europeu
02/03/2008 10:27 -


     

        

        Da Redação

         

        Durante cerimônia que acontecerá dia 8 próximo, com a presença dos presidentes brasileiro e português, 400  universidades vão formar o "Grupo de Coimbra" no Brasil, a exemplo do que já acontece com as redes de ensino européias.
        Com este ato, o Brasil adotará o modelo de uma rede das 38 mais importantes e mais antigas universidades da Europa, o chamado "Grupo de Coimbra", constituído em 1985.
        Ao presidir à sessão solene dos 718 anos da Universidade de Coimbra, o reitor Seabra Santos anunciou a constituição dessa rede, em cerimônia marcada para o Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro, com a presença de Luiz Inácio Lula da Silva e Aníbal Cavaco Silva.
        Projeto
        A cerimônia de constituição do "Grupo de Coimbra", que faz parte das comemorações dos 200 anos da chegada da família real ao Brasil, é para a vice-reitora Cristina Robalo Cordeiro uma boa oportunidade para reforçar as pontes de colaboração entre as instituições dos dois continentes.
        
        Para a responsável pelas relações internacionais instituição, a rede no Brasil poderá desenvolver as condições para criar o "Grupo de Coimbra" na América do Sul, com instituições de países com quem já existem relações, como as que integram o denominado "Grupo de Montevidéu".
        
        O "Grupo de Coimbra" é composto por 38 universidades européias, incluindo Cambridge, Oxford, Salamanca, Bolonha, Budapeste, Barcelona, Aarhus, Gottingen, Heildeberg, Leiden, Louvain, Poitiers, Thessaloniki e Tartu.

         

        Com informações da Agência Lusa

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSD do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!