14,2 milhões de pessoas não sabem ler e escrever

14,2 milhões de pessoas não sabem ler e escrever
18/09/2009 16:23 -


     

         

         

Uma Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) divulgou hoje (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que a taxa de analfabetismo teve uma redução insignificante de 2007 para 2008, passando de 10,1% para 10%. Isso significa que 14,2 milhões de pessoas com mais de 15 anos que não sabem ler e escrever nem um bilhete simples.

Para o ministro da Educação, Fernando Haddad, o resultado é surpreendente, foi um aumento de 140 mil analfabetos entre as pessoas com mais de 25 anos, especialmente no Sul e no Sudeste, o que para ele não é ?algo compreensível?. ?É um dado estranho. Supostamente, é como se pessoas que se declararam alfabetizadas em um ano se declarassem analfabetas no [ano] seguinte.?

A Pnad também constatou o analfabetismo entre as crianças em idade escolar, de 10 a 14 anos, que já deveriam ter aprendido a ler e escrever. Entre elas, o índice alcançou 2,8% do total de brasileiros nessa faixa etária. A redução é 0,3 ponto percentual em relação aos dados de 2007.

O Nordeste que registrou a maior queda no percentual de analfabetos: de 19,9% em 2007 para 19,4% em 2008. Na avaliação do ministro, a redução é resultado do foco do programa Brasil Alfabetizado na região. ?Hoje 80% [das ações] do programa estão no Nordeste, por isso é natural que o analfabetismo tenha uma redução maior.

Com informações Agência Brasil

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".