"O rei que não sabia rir" será apresentado no Centro Cultural

"O rei que não sabia rir" será apresentado no Centro Cultural
28/10/2008 16:20 -


     

         

         

        Nesta sexta-feira (31), às 19h, o grupo Identidade Teatral, em parceria com a Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, fará nova apresentação da peça infantil "O rei que não sabia rir", no Teatro Aracy Balabanian do Centro Cultural José Octávio Guizzo.

         

        A peça conta a história de um rei rabugento, que não consegue ver motivos para sorrir. Sua rabugice desencadeia uma insatisfação em seus súditos, de tal modo que migram para o reino vizinho. Para evitar que as coisas piorem, seu fiel guarda real traz o da corte para alegrá-lo. O rei, ao perceber a presença do da corte, propõe ao mesmo uma troca temporária de função, para poder assim

         

        aventurar-se pelo mundo afora e procurar o seu bom humor. A partir daí, uma série de confusões começa a se instalar dentro do castelo, proporcionando uma divertida comédia infanto-juvenil.

         

        Ingressos à venda no Ingresso Fácil no Shopping Campo Grande a R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia-entrada) para crianças até 12 anos, idosos acima de 60 anos, doadores de sangue e estudantes com a apresentação da carteirinha. Mais informações podem ser obtidas no Centro Cultural José Octávio Guizzo, na Rua 26 de Agosto, 453 ou pelo telefone 3317-1792 de terça a sábado das 8h às 22h e domingo das 13h às 18h.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".