"Foi lamentável", diz Tetila, sobre críticas do governador

"Foi lamentável", diz Tetila, sobre críticas do governador
01/04/2008 20:29 -


     

O prefeito de Dourados Laerte Tetila (PT) reagiu com indignação às acusações do governador André Puccinelli (PMDB) feitas na noite de anteontem na Câmara Municipal sobre o gerenciamento da saúde no município. André veio a Dourados para repassar cerca de R$ 1,5 milhão à Prefeitura (sendo R$ 500 mil para o Hospital Universitário).

Em uma reunião tensa que teve protestos dos acadêmicos de Medicina da Universidade Federal da Grande Dourados (Ufgd) contra o governo, André convocou os acadêmicos a fiscalizar a aplicação dos recursos da saúde por parte da administração municipal. "A Câmara Municipal e vocês estudantes, devem fiscalizar para evitar roubalheiras e desperdícios", disse o governador.

Tetila disse ao Correio do Estado que tem controle total sobre finanças de sua administração e descartou a possibilidade de haver roubos ou desperdício de dinheiro tanto na saúde como em qualquer outro setor. "Estamos tirando leite de pedra para garantir o custeio da saúde. Foi lamentável a fala do governador ontem", afirmou.

        Tetila admitiu que as declarações de André podem provocar um desgaste na relação com o Governo, mas que vai tentar manter um diálogo institucional. "Tenho suportado até humilhações e abusos para que a gente não tenha o prejuízo do isolamento do município. Tenho a obrigação de manter a relação institucional", finalizou.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".