Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Votação do projeto adiada para sessão de hoje

30 MAR 10 - 23h:13Anahi Zurutuza
Os servidores administrativos da Educação de Mato Grosso do Sul pressionaram e a Assembléia Legislativa resolveu adiar para hoje a votação da proposta de reajuste salarial feita pelo Governo do Estado. Ontem – para quando estava pautada a apreciação do projeto –, cerca de 700 trabalhadores lotaram o plenário para impedir que fosse aprovado aumento de 7%. A categoria reivindica 22%. O deputado estadual Youssif Domingos (PMDB), líder do Governo no Legislativo estadual, descartou a possibilidade de o Executivo voltar atrás e revisar a proposta de reajuste. “Os outros não podem sair desta prejudicados e não há mais tempo hábil para revisão do que já está definido”.

Liderados pela Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), servidores vindos de todo o Estado provocaram tumulto na Assembleia durante a sessão. Eles levaram para o plenário faixas e cartazes, alguns deles ameaçaram atirar ovos caso o proposta do Governo fosse aprovada. Rosângela Siqueira, 35 anos, auxiliar-administrativo da escola estadual do município de Antônio João, veio até Campo Grande para protestar. “Mesmo se depois aprovarem os 7%, estamos aqui para dizer que não gostamos”.

Na semana passada, o governador André Puccinelli (PMDB) reuniu-se com servidores da Saúde, da Segurança Pública e demais categorias do funcionalismo público, quando ficou acordado o reajuste que varia entre 5% e 7%. Mas os trabalhadores administrativos da Educação afirmam que não foram ouvidos e não concordam com o percentual.

Para discutir o reajuste salarial dos servidores, segundo a assessoria de imprensa do Governo do Estado, participaram dos encontros com o governador integrantes do Sindicato dos Funcionários da Educação de Mato Grosso do Sul. “A Fetems não participou das negociações; esse reajuste está sendo imposto a 4,2 mil trabalhadores administrativos da Educação, que são federados. Não vamos deixar que aconteça. Viemos aqui para pressionar que dessem prazo para a gente conseguir falar com o governador”, afirmou o presidente da federação, Jaime Teixeira.
O sindicalista acredita que a retirada do projeto da pauta tenha “animado” os trabalhadores. “É uma possibilidade de abertura para uma negociação justa. Temos até amanhã (hoje) de manhã para isso”.

O presidente afirma que para os funcionários que recebem hoje R$ 500 de salário (mais R$ 10 de abono), acréscimo de 7% “não faz diferença”. “Vai ser um acréscimo de R$ 35 no salário. Isso não dá nem para comprar um cesta básica”.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Suspensão de inscrições para moradias populares é prorrogada
PROGRAMAS HABITACIONAIS

Inscrições para moradias populares seguem suspensas

Após três meses, materiais recicláveis novamente pegam fogo em empresa
GRANDES PROPORÇÕES

Após três meses, materiais recicláveis novamente pegam fogo em empresa

Cármen Lúcia manda TRF-4 soltar presos por condenação em 2ª instância
MINISTRA DO STF

Cármen Lúcia manda TRF-4 soltar presos por condenação em 2ª instância

Comércio ficará aberto até mais tarde durante o fim de ano
HORÁRIO ESPECIAL

Comércio ficará aberto até mais tarde no fim de ano

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião