OPERAÇÃO SENTINELA

Volume apreendido de drogas dobra no primeiro semestre

Volume apreendido de drogas dobra no primeiro semestre
30/08/2010 08:15 -


Clodoaldo Silva, Brasília O volume de cocaína, pasta base e crack apreendidos nas cidades de Corumbá, Naviraí e Ponta Porã dobrou no primeiro semestre de 2010 em relação ao mesmo período do ano passado, passando de 553 quilos para 1 tonelada até junho. Este é o resultado parcial da Operação Sentinela, lançada em março último, pelo Governo federal, para combater o tráfico de drogas e outros crimes na região de fronteira do Brasil. Os números nacionais, nos quais estão inseridos os levantamentos relativos a Mato Grosso do Sul, foram divulgados na última semana, pelo Departamento de Polícia Federal (DPF), em Brasília. Também durante a ação conjunta desenvolvida pela PF, Força Nacional, Receita Federal, Forças Armadas, Polícia Rodoviária Federal e as polícias civil e militar de Mato Grosso do Sul houve apreensão de 14,656 toneladas de maconha entre janeiro e julho, nas três localidades. A operação montada no final do ano passado e implementada em março deste ano tem a participação de 1.5 mil agentes públicos de 11 estados que efetuaram a prisão de 1.166 pessoas e cumprimento de 135 mandados de prisão em todo o País. Também foram apreendidas 148 armas, 15.482 munições, além de agrotóxicos contrabandeados ou proibidos no Brasil, dinheiro, equipamentos de informática, eletroeletrônicos, celulares, 1.1 mil frascos de lança-perfume e 250 mil caixas de remédios falsificados, contrabandeados ou que têm venda proibida no Brasil. Em todo o país foram fiscalizadas 359.994 pessoas, 126.374 veículos de passeio e carga e 2.518 embarcações. Permanente De acordo com o diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, a operação será ampliada. “A nossa ideia é que ela [a operação] tenha um caráter permanente. [A operação] vem num processo de ampliação à medida que os estados que aderiram recentemente apresentarem resultados como Mato Grosso do Sul, Paraná e Amazonas, que foram os pioneiros”. A Polícia Federal divulgou que no primeiro semestre do ano passado foram apreendidos 553 quilos de cocaína, pasta base e crack nas cidades de Corumbá, Naviraí e Ponta Porã. Com a Operação Sentinela, a quantidade saltou para 1.031 quilos este ano. Em todo o Estado foram apreendidos 17.7 toneladas de maconha entre janeiro e junho de 2010, sendo que 82.5% - 14.656 toneladas - foram nas três localidades. Nos seis primeiros meses de 2009 foram apreendidas 19.4 toneladas de maconha nos três municípios sul-mato-grossenses da região de fronteira. Em relação ao ano passado, a redução é de 24.6%. Durante a entrevista coletiva realizada em Brasília, Corrêa afirmou que “Esse balanço foi divulgado agora porque nos três estados pioneiros a operação completa cinco meses. Estamos no momento do desenho do orçamento, ou fala agora ou perde o orçamento de 2011. Tínhamos de mostrar isso, para que ele [o ministro da Justiça], junto à área econômica, defenda o pleito da Polícia Federal”. Essa preocupação existe porque o repasse de recursos à Polícia Federal deste ano sofreu cortes, tanto que comunicado interno da diretoria-geral da corporação recomendou às superintendências que reduzissem as despesas. A Polícia Federal propôs ao Ministério da Justiça a criação de dotação orçamentária específica e plurianual para custear as ações de todas as forças envolvidas na Operação, na região de fronteiras, por tempo indeterminado.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".