Segunda, 18 de Dezembro de 2017

novo compacto

Volkswagen lança o up! no Brasil em 6 versões; conheça cada uma

27 JAN 2014Por terra07h:29

Aos poucos a Volkswagen vai dando detalhes do seu maior lançamento do ano, o compacto up!, que começa a ser vendido no Brasil em março com diversas modificações em relação ao modelo europeu, comercializado desde 2010. Tivemos um primeiro contato com todas as seis versões do carro nacional, que pretende ser um "novo Fusca", de acordo com a própria montadora.

A demora de quase quatro anos para finalizar a versão nacional se deve a mudanças na estrutura do up!, que tem público diferente nos dois continentes. Na Europa, ele é um carro de entrada para solteiros ou jovens casais sem filhos, com apenas quatro lugares e janela traseira basculante. Por aqui, a fabricante espera que o modelo seja também o primeiro carro da família, um carro "do povo", assim como foi o Fusca.

Deixando a expectativa idealista de lado, o up! nacional vai bater de frente com o Fiat Uno e até roubar possíveis compradores de Gol e Fox, com seu visual mais jovem, segurança reforçada e economia de combustível. Dependendo da faixa de preço, que será divulgada apenas no início de fevereiro, o compacto deve mexer nas vendas de toda a categoria 1.0 litro, que inclui Renault Clio, Chevrolet Celta e Onix, Hyundai HB20, Nissan March, Ford Ka e Fiat Palio, entre outros.

Versão nacional
O desenho do up! foi criado pelo brasileiro Marco Antonio Pavone, que acompanhou de perto as mudanças feitas para o mercado brasileiro. Sem perder a simplicidade, a principal diferença do modelo nacional é no comprimento, que ganhou 65 milímetros na parte traseira. Com isso, a Volks conseguiu adequar o carro a cinco passageiros e colocar vidros traseiros deslizantes no lugar do basculante - as duas principais críticas que apareceram em clínicas de testes no Brasil. A mudança ainda deixou o porta-malas maior, com 285 litros - o mesmo tamanho de um Gol e 5 litros a mais que o Uno.

A tampa traseira também é exclusiva do mercado nacional. Na Europa, ela é de vidro, mas por aqui será de metal mesmo, com objetivo de reduzir o custo de reparo. Outro 'problema" resolvido pela equipe técnica local foi o pequeno tanque de combustível de 35 litros do modelo original, que foi ampliado para os costumeiros 50 litros no Brasil. Além disso, a distância do solo foi elevada em 26 milímetros (20 mm de suspensão e 6 mm no diâmetro dos pneus) e o estepe é do mesmo tamanho que as rodas regulares.

Motorização
Todas as seis versões do up! brasileiro serão equipadas com o motor 1.0 litro de três cilindros, que foi usado pela primeira vez no Fox Bluemotion no ano passado. A potência é de 75 cv com gasolina e 82 cv com etanol, com torque de 9,7 kgfm e 10,4 kgfm, respectivamente. Se no Fox a estreia do propulsor não ganhou tanto destaque, no up! ele deve ser um ponto forte, já que o carro é 83 kg mais leve e tem a mesma relação de marchas que o "irmão" maior. Segundo a Volkswagen, a aceleração até 100 km/h é feita em 12s4 e a velocidade máxima é de 165 km/h, em medições com etanol.

Com relação ao consumo de combustível, o modelo já chega entre os melhores já testados pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) do Inmetro, com autonomia de 13,2 km/l (gasolina) e 9,1 km/l (etanol) no ciclo urbano. O desempenho coloca o up! como o quinto melhor do mercado nacional, atrás apenas de três modelos híbridos (Ford Fusion, Lexus CT200h e Toyota Prius) e do Renault Clio (sem ar-condicionado). Com o climatizador ligado e direção elétrica, o up! perde somente para os modelos híbridos.

Segurança
​A proteção será outro quesito em que o up! deve se destacar. A carroceria tem partes estruturais em aço moldado a quente, de ultra resistência, na coluna central, airbag duplo frontal e freios com ABS. Em testes realizados pelo Latin NCAP, o veículo ganhou a cinco estrelas para a segurança de adultos e quatro estrelas para crianças na cadeirinha com sistema Isofix. Na somatória de pontos, foi a maior nota obtida até então por um carro feito no Brasil, superando a nota do Ford Focus fabricado na Argentina. O para-choque frontal é modular, ou seja, em caso de pequenas colisões, não será preciso trocar a peça inteira, o que diminui o custo dos reparos. 

Leia Também