Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sexta, 15 de fevereiro de 2019 - 17h10min

Vítima de violência doméstica terá que denunciar o agressor

26 FEV 10 - 06h:52
Com a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) tomada na quarta-feira, o Ministério Público só pode abrir ação penal para punir a violência doméstica quando há representação de agressão da vítima. Foram seis votos favoráveis à manutenção da Lei Maria da Penha sem alterações e apenas três a favor de que a ação penal continuasse mesmo que a vítima retirasse a queixa de agressão na polícia. Com a decisão da Terceira Seção do STJ, o processo cessa imediatamente no momento em que a vítima retira a queixa de agressão. Os crimes de violência contra a mulher também só poderão ser apurados caso a vítima se dispuser a denunciar pessoalmente o agressor. O julgamento do STJ põe fim às decisões divergentes no País sobre a Lei Maria da Penha. Ou seja: fica mantida a obrigatoriedade de representação da vítima para a abertura e continuidade da ação penal contra o agressor. A Lei Maria da Penha está em vigor desde agosto de 2006. A estimativa hoje é que cerca de 90% das ocorrências policiais são arquivadas por falta de representação das vítimas. Se o STJ decidisse pela continuidade das ações, mesmo com a retirada da queixa pela vítima, serviria de jurisprudência a ser seguida pelos tribunais. Cabe agora ao Congresso Nacional mudar a Lei Maria da Penha para torná-la mais clara. Projeto nesse sentido foi apresentado pela deputada Dalva Figueiredo (PT-AC) em maio de 2009. Pela proposta, a ação penal é mantida mesmo que a vítima retire a queixa de agressão na polícia. O projeto está, no entanto, parado na comissão de Seguridade Social da Câmara desde setembro do ano passado. “Exigir que a mulher vítima de violência doméstica média ou grave, para ver seu agressor punido, tenha que ir a juízo manifestar expressamente esse desejo somente contribui para atrasar ou mesmo inviabilizar a prestação jurisdicional, fragilizando as vítimas e desencorajando- as a processar o agressor”, alegou Dalva, na exposição de motivos do projeto de lei. A Lei Maria da Penha (11.340/2006) alterou o Código Penal ao prever que violência doméstica será punida com a prisão dos agressores de mulheres. A lei aumentou o tempo máximo de detenção previsto de um para três anos, além de estabelecer medidas como a saída do agressor do domicílio e a proibição de sua aproximação da mulher agredida e filhos. Voto vencido O relator do caso no STJ, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, foi voto vencido. Em seu parecer, ele considerou não haver “incompatibilidade em se adotar a ação penal pública incondicionada nos casos de lesão corporal leve ocorrida no ambiente familiar e se manter a sua condicionalidade no caso de outros ilícitos”.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputados de MS convocam Aneel para explicar aumento na luz
CONSUMO

Deputados convocam Aneel para explicar aumento na luz

Prefeito fiscaliza atendimento nos postos de saúde da Capital
UPA LEBLON

Prefeito fiscaliza atendimento nos postos de saúde da Capital

Chuva transforma rua em rio  de lama no Jardim Monte Alegre
NA LAMA

Chuva transforma rua em rio de lama no Monte Alegre

Acusado de envenenar café de agentes penitenciários é absolvido
JÚRI POPULAR

Acusado de envenenar agentes penitenciários é absolvido

Mais Lidas