Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Visita de primeiro-ministro japonês ao Templo de Yasukuni provoca protestos da China

Visita de primeiro-ministro japonês ao Templo de Yasukuni provoca protestos da China
26/12/2013 21:00 - AGÊNCIA BRASIL


 O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, visitou hoje (26), em Tóquio, o Templo de Yasukuni, que homenageia soldados mortos, entre os quais criminosos de guerra.

O episódio gerou fortes críticas da China. O chanceler chinês, Wang Yi, convocou o embaixador japonês no país, Masato Kitera, e informou que o gesto significa um novo obstáculo político. De acordo com ele, as atitudes do premiê Shinzo Abe estão conduzindo o Japão a uma "direção muito perigosa".

O político japonês elegeu o dia em que completa um ano no poder para visitar pela primeira vez o santuário como chefe de Governo. "É um mal entendido pensar que esta visita significa venerar os criminosos de guerra", disse Abe, depois de fazer breve oração no interior do templo.

O primeiro-ministro japonês informou que pediu pelo descanso dos que perderam as suas vidas pelo Japão na guerra, assegurando que não teve a intenção de provocar os países vizinhos, como a China ou a Coreia do Sul, com a visita.

"Com a minha decisão queria mostrar o meu propósito de que o Japão nunca voltará a participar em nenhuma guerra", disse o primeiro-ministro, ao enfatizar que se esforçará para que chineses e sul-coreanos possam entender o objetivo da visita.

As visitas de membros do governo ao templo Yasukuni, que presta homenagem aos milhões de soldados mortos em conflitos armados entre 1853 e 1945 e a 14 criminosos da 2ª Guerra Mundial, gera todos os anos protestos por parte de países ocupados pelo Japão no século 20. Esta foi a primeira visita de um primeiro-ministro japonês ao local desde 2006.

Para o diretor geral de Assuntos Asiáticos do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Luo Zhaohui, a visita do primeiro-ministro japonês ao templo é inaceitável para o povo chinês e o Japão deverá assumir as consequências.

Segundo o porta-voz da chancelaria chinesa Qin Gang, o Templo de Yasukuni é uma ferramenta e um símbolo espiritual das agressões do Japão durante a 2ª Guerra Mundial.

"Somente se o Japão assumir e refletir sobre a sua história de invasões, e considerá-la como um espelho, poderá desenvolver uma relação orientada para o futuro com seus vizinhos", informou Gang.

Considerando apenas um período de seis semanas, em 1937, estima-se que tenham sido mortos mais de 300 mil chineses depois da ocupação de soldados do Japão na cidade de Nanjing, no Leste da China.

Para o pesquisador da Academia Chinesa de Ciência Sociais Gao Hong, o premiê japonês decidiu fazer essa visita para cumprir um compromisso com as forças de direita japonesas e estabelecer uma fundação para a estratégia e a linha política que pretende conduzir em 2014. Para ele, essa postura confrontacionista é "tola".

Vários partidos políticos japoneses, inclusive aliados, criticaram a visita e expressaram oposição. O líder, Natsuo Yamaguchi, do partido Komeito, que faz coalizão com o governo, disse que o partido pediu insistentemente que o primeiro-ministro evitasse a visita ao templo.

"A visita do premiê ao Yasukuni vai fazer as relações com a China e a Coreia do Sul mais difíceis", informou Yamaguchi.

* Com informações da Agência Lusa e da agência de notícias da China, Xinhua 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?