Quarta, 21 de Fevereiro de 2018

MOINHO CULTURAL

Violoncelista Pablo Uzeda dá aulas em Corumbá

3 NOV 2010Por DA REDAÇÃO11h:45

Convidado especial do Festival Cabeceiras, um circuito de apresentações artísticas em comemoração aos cinco anos de fundação do Moinho Cultural Sul-Americano, o violoncelista carioca Pablo Uzeda de Sá, que atualmente reside na Bélgica, participou de um workshop e ministrou aulas em grupos para os alunos de música da escola de artes.

Aos 25 anos de idade, Pablo estuda no Conservatório Real de Antuérpia (Bélgica) há cinco anos e veio a Corumbá para conhecer a escola e se apresentar para o público corumbaense. Ao lado do pianista e coralista Aurélio Vinicius de Oliveira, do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, ele apresentou um repertório de câmara na Casa Vasquez e no Santuário Nossa Senhora Auxiliadora, nos dias 30 e 31 de outubro.

O jovem talento da música brasileira é filho dos maestros Leonardo Sá, coordenador de música do Moinho Cultural, e Noemi Uzeda, consultora musical da escola. Pablo estuda música desde os três anos de idade, iniciando-se com violino. Aos nove anos, optou pelo violoncelo e diz que a música faz parte de sua vida. “Adoro estudar, tocar”, sintetiza.

Além das notas

Pablo já conhecia alguns alunos de música do Moinho, com os quais se encontrou em um evento no Rio de Janeiro, e ficou impressionado com a estrutura da escola, que funciona no antigo moinho de trigo situado no porto geral de Corumbá, e com a abrangência do projeto – que reúne crianças e adolescentes brasileiras e bolivianas e ensina música, línguas e dança.

“Não conheço outra escola de música e dança com tanto espaço, as salas são sonorizadas, a gente percebe isso”, comenta o violoncelista. No contato com os alunos, ele transmitiu seus conhecimentos e vivência musical, lembrando, sempre, que a música não é somente paciência e não basta apenas pegar o instrumento e tocar as notas.

Por meio da música, segundo Pablo, a criança desperta outros valores que vão ser importantes na sua formação cidadã, o que ele percebeu no contato com os alunos do Moinho Cultural. “São jovens que sabem o que querem, muito bem orientados, além de talentosos”, observou. O músico retornou ao Rio de Janeiro, de onde segue para a Bélgica.

O Festival

O Festival Cabeceiras foi uma maratona de eventos (música e dança) com a participação de alunos e professora da escola de artes, com apoio do Instituto Homem Pantaneiro (IHP), em Corumbá, Ladário, Puerto Suarez e Puerto Quijarro. Os espetáculos gratuitos tiveram início em agosto e foram realizados em palcos abertos, nas escolas e praças da região.

O Moinho Cultural Sul-Americano é um projeto social reconhecido pela Unesco que atende mais de 300 crianças e adolescentes, brasileiros e bolivianos, e conta com a parceria da Vale, patrocínio das empresas J. Macedo e Eletrobrás, além do apoio cultural da Andorinha e Refrigerantes Corumbaense. A escola tem a gestão do IHP.
 

Leia Também