quinta, 19 de julho de 2018

Saúde

Vinho é um grande aliado do processo digestivo

6 FEV 2011Por Minha Vida18h:53

"Vinho e comida foram feitos um para o outro", define o cardiologista Jairo Monson de Souza Filho. O médico, que há 20 anos estuda os efeitos da bebida na saúde humana, garante que este é o líquido mais favorável à digestão.

"Isso, claro, se não houver qualquer contra indicação ao seu consumo", ressalta. O especialista afirma que para melhor usufruir de seus benefícios, ele deve ser tomado moderadamente durante as refeições.

"Quando se ingere a bebida junto aos alimentos, diminui-se muito o volume de radicais livres na circulação sanguínea durante a digestão. E é justamente neste período que a quantidade de gorduras circulantes é maior.

Com isso, há menos chance delas serem oxidadas pelos radicais livres, que acarretaria na formação e deposição de placas de gorduras nas paredes dos vasos sanguíneos", explica Filho.

Sobre a dose diária de vinho recomendada, o cardiologista destaca que a grande preocupação é por conta do volume de álcool.

"Uma quantidade acima do que o organismo consegue metabolizar pode causar dano orgânico", diz. No entanto, a metabolização do álcool é individual e depende de fatores diversos, como gênero, peso corporal, e, mais especificamente, peso do fígado e a quantidade de enzimas necessárias para este processo.

Para a maioria dos homens seria seguro beber até 30 gramas de álcool (o equivalente a 300 ml de vinho a 12,5 ºGL) por dia e para as mulheres, 20 gramas (o equivalente a 200 ml de vinho a 12,5ºGL), sugere o médico.

De acordo com o especialista, não há um tipo de vinho que seja mais eficaz para o processo digestivo. No entanto, o gás carbônico presente nos espumantes aumenta a produção de suco gástrico, o que é amplamente favorável para a digestão.

Processo digestivo
O especialista afirma que substâncias encontradas no vinho facilitam a digestão de inúmeras maneiras, como: Diminuindo os movimentos peristálticos do intestino delgado e do intestino grosso, aumentando, consequentemente, a permanência dos alimentos no tubo digestivo e dando mais tempo para as enzimas os processarem.

Estimulando a vesícula biliar a descarregar uma quantidade maior de bile no início do intestino delgado, facilitando a digestão das gorduras.

Melhorando a digestão dos açúcares, ampliando a sensibilidade dos tecidos à insulina.

Doenças
Segundo o cardiologista, algumas das doenças do sistema digestivo que podem ser evitada com o consumo de vinho são: Úlcera nervosa: os polifenóis do vinho protegem esse tipo de agressão ao estômago por bloquear duas enzimas: as histidinacarboxilase e a hialuronidase.

Esofagite de refluxo: uma suplementação de antioxidantes garantida pela bebida pode ajudar tanto no tratamento como na prevenção da doença.

Esôfago de Barret: uma condição clínica pré-cancerosa ativada pela proliferação de células Ciclo-oxigenase-2 (Cox-2). Os polifenóis do vinho são eficientes para impedir a proliferação destas células.

Pedras nos rins: o ácido tartárico, encontrado na bebida, é capaz de desmanchar os cálculos de oxalato de cálcio das vias urinárias.

Colesterol: a quercitina, presente no vinho, diminui a absorção de gorduras aumentando a sua eliminação nas fezes e diminuindo o nível de colesterol no sangue.(
 

Leia Também