Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 12 de dezembro de 2018

massacre

Vídeo mostra atirador falando dois dias antes de ataque

13 ABR 2011Por Estadão14h:14

Trechos de dois vídeos gravados por Wellington Menezes de Oliveira, supostamente dois dias antes do massacre de quinta-feira, foram divulgados ontem pelo Jornal Nacional, da TV Globo. Ele fala de maneira vagarosa sobre os motivos que o teriam levado a matar os estudantes. A mensagem, aparentemente gravada por Wellington, foi deixada em dois arquivos de vídeo. Ele aparece sem barba, na frente do que parece ser um muro. O local e a fisionomia são parecidos com o que se vê em um perfil no Orkut atribuído ao assassino-suicida.

Nos trechos divulgados, diz que a ação no colégio não se resume a uma vingança pelo que teria sofrido na escola. “A luta pela qual muitos irmãos no passado morreram e eu morrerei não é exclusivamente pelo que é conhecido como bullying. A nossa luta é contra pessoas cruéis, covardes, que se aproveitam da bondade, da inocência e da fraqueza de pessoas incapazes de se defenderem”, diz.

Na segunda parte, o assassino dá detalhes do planejamento da ação. “Os irmãos observaram que eu raspei a barba. Foi necessário, porque eu já estava planejando ir ao local para estudar, ver uma forma de infiltração. Eu já tinha ido antes, muitos meses atrás. Eu ainda não usava barba. Eu fui para dar uma analisada.”

O atirador relata uma ida anterior à escola. “Hoje, é segunda... terça-feira, aliás. Eu fui ontem, segunda. Hoje é terça-feira, dia 5. E essa foi uma tática para não despertar atenção. Apesar de eu ser sozinho, não ter uma família praticamente, eu vivo sozinho, e não tenho pessoas a dar satisfação. Mas como eu precisava ir no local e interagir com pessoas, para não chamar a atenção, eu decidi raspar a barba.”

A Polícia Civil informou à noite que vai abrir uma sindicância interna para apurar o eventual vazamento dos vídeos que constam do inquérito sobre o massacre. Oficialmente, até 23 horas, não se sabia se o trecho divulgado na TV consta do inquérito oficial. “A ordem dada era que se mantivesse os vídeos em sigilo”, informou a Assessoria de Imprensa. A apuração cabe à Corregedoria. Os delegados envolvidos no caso não foram localizados.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também