domingo, 15 de julho de 2018

Vídeo Índio Brasil 2010 estreia com casa cheia

2 AGO 2010Por 17h:00
     

Diversidade cultural em pauta. Assim foi aberta a programação do Vídeo Índio Brasil (VIB) 2010 em 112 cidades brasileiras. "Em fusos horários diferentes, por conta dos vários Estados brasileiros que participam do projeto, a questão indígena será colocada em pauta de agora até o próximo sábado (dia 07-08)", disse o diretor geral do VIB, Nilson Rodrigues, ontem, em Campo Grande , cidade sede do projeto.

A solenidade na Capital de Mato Grosso do Sul aconteceu na sala do CineCultura, que ficou lotada na sessão de estreia. "O estado tem uma dívida histórica com o povo indígena e esse projeto é uma das tentativas de dialogar com essas culturas por meio do audiovisual e os debates", frisou o secretário da Identidade e da Diversidade Cultural, Américo Córdula, que representava o ministro da Cultura, Juca Ferreira.

Eliel Benites, do Ponto de Cultura Teko Arandu (Caarapó, MS), lembrou da necessidade do foco no olhar indígena. "Essa é uma oportunidade para compreendermos, a partir das discussões e reflexões que vão acontecer aqui, o que os índios têm a mostrar, a dizer, seja em suas expressões orais, corporais, artísticas, ou no audiovisual", pontuou Eliel, que é Kaiowá.

Ainda discursaram na abertura, Egon Krakhecke, secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente, e Márcio de Camilo, representando a Associação Amigos do CineCultura, entidade que realiza o projeto.

As primeiras projeções do Vídeo Índio Brasil aconteceram no sábado com as exibições simultâneas em todo o Brasil de "Já me transformei em imagem", de Zezinho Yube e "De volta à terra boa", de Vincent Carelli, ambas produções do Vídeo nas Aldeias. Em Campo Grande , o Brô MCs, um grupo de rap composto por índios Guarani de Dourados (MS) fechou a noite de estreia do projeto.

Vídeo Índio Brasil

Acontece em Campo Grande , oito cidades do interior de MS e em mais de 100 cidades brasileiras. Na programação, exibições de filmes e vídeos, seminário, oficina de audiovisual para indígenas, exposições e lançamentos de livros. Entrada franca para todas as atividades em todo o território nacional.

Leia Também