Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

ESCÂNDALO DE CAMPINAS

Vice-prefeito deve chegar da Espanha e pode ser preso no aeroporto

26 MAI 2011Por PORTAL RAC, CAMPINAS13h:24

O vice-prefeito de Campinas, Demétrio Vilagra (PT), deve chegar ao Brasil vindo da Espanha por volta das 18h desta quinta-feira (26), segundo o seu advogado, Ralph Tórtima Stettinger. Ele espera que, em caso de ser preso ao desembarcar, seu cliente seja tratado como os demais detidos no caso que investiga os supostos esquemas de fraude na Prefeitura de Campinas: sem estardalhaços e sem ser algemado.

No início da noite de ontem (25), o pedido de revogação do mandado de prisão foi negado pelo juiz Nelson Augusto Bernardes, da 3ª Vara Criminal de Campinas.

'Não há motivo para preocupação com algemas. Elas não foram usadas em nenhuma das 11 prisões do caso. Esse tipo de procedimento só é necessário se houver algum tipo de reação no ato', disse Bernardes. 'Estamos, o juiz, os promotores e os policiais que cuidam do caso, cumprindo o que manda a lei. Não há necessidade de os advogados do vice-prefeito se preocuparem', afirmou.

Vilagra deve desembarcar no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Possivelmente, pelo horário de chegada indicado por sua assessoria, o vice-prefeito deverá estar no voo IB 6821, da companhia Iberia, que sai do Aeroporto de Barajas, em Madri - onde ele passava férias nos últimos dias.

Desde a última sexta-feira, há um mandado de prisão temporária de cinco dias contra Vilagra em função das investigações do Ministério Público (MP) no caso Sanasa. Assim que soube da notícia, na Espanha, o vice-prefeito comentou em seu Twitter que não poderia ser considerado foragido, já que estava fora do País por estar em férias - que se encerram no próximo dia 30. Ele comentou em sua página na internet que estava providenciando a antecipação de seu retorno, o que não aconteceu.

O advogado do petista informou que estará no aeroporto para receber o seu cliente. 'Não terá estardalhaço na sua chegada, apenas uma ação civilizada, como sempre deve ser. Quero ressaltar que isso não se trata de nenhum tipo de privilégio...É apenas a manutenção da civilidade' , comentou Stettinger, que foi escolhido para defender o vice-prefeito após a determinação de Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro da Justiça no primeiro mandato do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, e de Edinho Silva, presidente estadual do PT em São Paulo.

Enquanto isso, o ex-secretário de Cooperação nos Assuntos de Segurança Pública, Carlos Henrique Pinto, e o ex-coordenador de Comunicação, Francisco de Lagos, continuam foragidos.

Leia Também