FIM

Vice do Milan anuncia que desistiu de Kaká

Vice do Milan anuncia que desistiu de Kaká
28/08/2012 00:00 - TERRA


O homem forte do futebol do Milan, Adriano Galliani, deu fim às expectativas de que Kaká pudesse retornar à equipe. Segundo o vice-presidente da equipe, o clube desistiu do negócio por conta dos altos riscos financeiros.

"A operação Kaká terminou. Nós esperamos o conselho de um contador espanhol que chegou hoje (segunda). A operação terminou porque é muito arriscada", disse o dirigente ao site oficial do Milan, enquanto chegava a um restaurante em Milão com a mais nova contratação do clube, Mbaye Niang.

Sem espaço no Real Madrid, Kaká era alvo de interesse dos italianos, que queriam repatriá-lo. As negociações com o Real Madrid não caminharam. A intenção de Florentino Pérez era negociar o meia em definitivo, mas Galliani insistia em um empréstimo.

Em 2009, os madrilenos desembolsaram 67 milhões de euros para ter o futebol do brasileiro, que jamais se firmou na equipe. Kaká foi eleito o melhor jogador do mundo em 2007, quando liderou o Milan à conquista da Liga dos Campeões da Europa e do Mundial Interclubes.

O novo reforço do Milan, Mbaye Niang, de 17 anos, custou a 1,7, milhões de euros aos cofres do clube. O franco-senegalês, que estava no francês Caen, marcou apenas dois gols em 23 partidas disputadas na última temporada no Campeonato Francês.

Galliani elogiou a aquisição, mas ainda diz que vai observar o jogador. "Estará com Allegri na equipe principal. Nós acreditamos que seja um bom jogador, embora eu costume esperar seis meses antes de ter uma idéia final sobre as contratações", declarou.

Gazeta Esportiva

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".