domingo, 15 de julho de 2018

FÉRIAS DE VERÃO

Viajar neste fim de ano está 15% mais caro, em média

7 NOV 2010Por Carlos Henrique Braga00h:02

Os preparativos para a alta temporada de turismo começaram mais cedo neste ano, e com preços 15% maiores, em média. A variação de preços é normal a cada ano, segundo o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens de MS (Abav-MS), Ney Gonçalves. Empresários repassam aumentos em itens como alimentação e gasolina e passagens, por exemplo, sofrem reajustes.

As opções para uma família de três pessoas, são inúmeras. Sete noites em um navio da costa brasileira custam entre R$ 2,8 mil e R$ 12 mil. Os resorts do Nordeste, também em alta, não saem por menos de R$ 10 mil, no Réveillon, mas as dez parcelas cabem mais fácil no orçamento.

Para quem prefere ir mais perto, a cidade de Bonito, eleita pelo 9º ano consecutivo o melhor destino de ecoturismo por revista especializada, ainda tem vagas para os mais rápidos. O pacote sai por R$ 2,3 mil, com direito a passeios de aventura. O Pantanal, que perdeu visitantes estrangeiros e o posto de favorito em MS para Bonito, cobra em torno de R$ 3,4 mil, segundo operadores locais.

Considerados monótonos no passado, os navios que operam na costa brasileira são sinônimo de alto padrão com baixo custo, em períodos normais. O "top dos tops", de acordo com o gerente comercial da Visual Turismo, Cleodimar Queiroz, tem bares, muitas piscinas, música para todos os ouvidos e bebida liberada. "Tem tudo, tudo incluso, o pai e a mãe podem deixar a criança com um funcionário e aproveitar o dia", recomenda Queiroz. Em terra firme, o "Natal da Luzes" de Gramado, cidade gaúcha famosa pelo frio de tremer o queixo e pelo chocolate, já não tem vagas nos hotéis.

A operadora Kassilene Vieira, da Mais Viagens, nunca viu tanta gente correr para comprar pacotes. As vendas devem ser até 10% maiores do que no ano passado, e, com o dólar baixo (R$ 1,70), os destinos na América do Sul saltaram aos olhos dos clientes. Buenos Aires, capital argentina, sai por R$ 950, partindo de Campo Grande. No Chile, Santiago está ao alcance por R$ 1,3 mil. "Esse ano, o boom é da América do Sul", afirma a operadora.

Leia Também