Terça, 20 de Fevereiro de 2018

Veterinários e entidades de proteção defendem a castração cirúrgica

13 AGO 2010Por 07h:35
     

O controle de natalidade de cães e gatos, que está sendo discutido no Congresso, tem apoio de entidades que defendem os direitos dos animais. O Projeto de Lei da Câmara (PLC) 4/05 propõe a esterilização dos animais recolhidos pelo serviço de zoonoses por meio de castração cirúrgica. No Senado, o PLC foi alterado para tornar possíveis outros tipos de castração, como a química, por exemplo.

Para a Sociedade União de Proteção dos Animais (Suipa), o mais indicado para o controle de natalidade dos animais é, de fato, a castração cirúrgica. A presidente da Suipa, Isabel Cristina, compara os dois métodos:

- A melhor forma de esterilização é a cirúrgica, pelo fato de ser o único procedimento indicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Isso ocorre pelo fato de ser indolor e a recuperação ser mais rápida, podendo ser realizado em fêmeas e machos, a partir dos seis meses de idade, ao contrário da química que só pode ser utilizada em animais machos.

Isabel afirma que a Suipa é favorável ao texto original do projeto, ou seja, sem a possibilidade de castração química. De acordo com ela, as vantagens do método cirúrgico superam os riscos do método químico.

- A esterilização cirúrgica reduz índices de tumores de mama e de próstata, além de deixar o temperamento do animal mais calmo, sendo altamente indicado para os animais bravos e agressivos.

Ela explica que a esterilização química é um procedimento em fase de testes. Além disso, argumenta que os felinos não poderiam receber o tratamento e aponta o risco de pessoas sem especialização aplicarem o medicamento nos testículos dos animais.

Na opinião da veterinária Roberta Beeg, a esterilização dos animais de rua trará muitos benefícios para a população porque, se o projeto virar lei, o número deles diminuirá, uma vez que não conseguirão se reproduzir. Ela também defende a cirurgia por ser mais eficaz e ter recuperação mais rápida.

Roberta destaca que, no caso da esterilização química, uma única aplicação aumenta em 90% o risco de câncer de mama nas fêmeas. A veterinária frisa, também, que todo o processo de castração deve ser indolor e não causar riscos de morte para o animal.

Leia Também