Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Vereadores de Dourados retomam trabalhos na segunda

Vereadores de Dourados retomam trabalhos na segunda
27/01/2010 07:47 -


Na próxima segunda-feira, a Câmara Municipal de Dourados encerra o período de recesso e inicia o atendimento ao público. A primeira sessão ordinária do ano está marcada para a semana seguinte, no dia 8. Em Dourados, os vereadores fazem apenas uma sessão por semana, sempre às segundasfeiras. Em ano de eleições, os debates no Legislativo douradense prometem ser mais acalorados porque dos 12 vereadores, sete pretendem ser candidatos. Gino Ferreira (DEM) e Humberto Teixeira Júnior (PDT) são os que pretendem alçar o voo mais longo, disputando uma vaga na Câmara dos Deputados. Já Dirceu Longhi (PT), Sidlei Alves e Marcelo Barros (DEM), José Carlos Cimatti (PSB) e Aurélio Bonatto (PDT) são précandidatos a deputado estadual. “Claro que o debate terá um forte apelo político, mas não podemos esquecer o trabalho legislativo, foi para isso que fomos eleitos”, afirmou Barros. O ano legislativo também começa com um desafio para o prefeito Ari Artuzi (PDT). Ele tentará manter o apoio dos vereadores como em 2009 quando, apesar de todas as turbulências por que a administração passou, conseguiu aprovar sem dificuldades a maioria dos projetos que mandou para a Câmara. Apenas os democratas Marcelo Barros e Gino Ferreira e Délia Razuk (PMDB) têm feito oposição sistemática ao prefeito. A única derrota significativa foi quando teve de retirar projeto que ajustava em média em 33% os valores do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). (FD)

Felpuda


Apesar de ainda fazer certo charme no estilo “se chamar, vou pensar” é praticamente certo que ex-candidato ao governo do Estado nas eleições passadas não participará da disputa pela Prefeitura de Campo Grande. Nos meios políticos é falado que não se trata de “novidade” e que não haverá mais cavalo encilhado passando na sua frente. Ele ainda insinua que poderá voltar em 2022, mas há quem diga que não precisará pensar, pois faltará a tal da “chamada”.