Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Verdades e mentiras

19 ABR 10 - 07h:25
Mauro Trindade, TV Press

  Jornalistas bons e maus sempre deram ótimos personagens, especialmente os maus. É nesse filão que vai “A vida alheia”, seriado de Miguel Falabella que estreou há pouco mais de uma semana. Sua Alberta Peçanha, vivida por Claudia Gimenez, é o mais novo nome dessa legião, que conta com o obcecado Charles Tatum, do filme “A montanha dos sete abutres”, ou o barão das comunicações Charles Kane, do clássico do cinema
“Cidadão Kane”. Perto desses, Miranda Priestly, de “O Diabo veste Prada”, e a própria Peçanha não passam de noviças da Ordem Imaculada das Freirinhas Descalças.
Mas é na literatura que estão os piores avais ao jornalismo. Poucos conseguiram chegar ao nível do repórter Amado Ribeiro, da peça “O beijo no asfalto”, de Nelson Rodrigues. E Blondet, do romance “As ilusões perdidas”, obra-prima de Balzac, compara a imprensa a um armazém onde se vendem palavras. “Se houvesse um jornal dos corcundas, haveria de provar a beleza dos corcundas”, escreve o francês.
Mais do que um ataque à imprensa de celebridades e suas invasões à privacidade, Miguel Falabella retrata e maneira desesperançada a condição humana, sufocada sob o peso das informações, moeda de troca das relações contemporâneas. Ninguém é bom ou mesmo ruim em seu folhetim. São apenas uncionais. A relação entre a editora Alberta Peçanha e a dona da editora, Catarina Faissol (Marília Pêra), é um primor do desprezo pelo outro, inclusive por elas próprias, respectiva e cinicamente representadas por Gimenez e Marília Pêra.
Manuela, a repórter ambiciosa e igualmente inescrupulosa, é vivida com ardor por Danielle Winits, em um de seus melhores papéis. Paulo Vilhena é um jovem fotógrafo que ainda mantém alguns laivos de ética, em uma atuação convicente de um profissional que tende a ser substituído pelo amador. Mais e mais a foto de paparazzo perde espaço para a câmera de celular, muito mais inesperada, onipresente e invasiva que os equipamentos fotográficos profissionais.
Todos os atores seguem um texto sem escapes para cacos ou brincadeiras. “A vida alheia” revela mais profundamente o “pathos” e a descrença na comunicação que permeia o trabalho de Falabella, um autor que, visto por esse viés, está mais para a tragédia do que para a comédia.
É sintomática sua frase sobre a vida a dois em “O submarino”: “O casamento é como o submarino. Até boia, mas foi feito para afundar”. Em um escritor de recursos, a morte também lhe cai bem.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Auditores fiscais e servidores <br> da saúde municipal são nomeados
CONCURSOS

Auditores fiscais e servidores da saúde municipal são nomeados

Por dia, Campo Grande registra mais de um ataque de escorpião
CUIDADO

Por dia, Campo Grande registra mais de um ataque de escorpião

Pacote de R$ 3 bilhões em <br> obras será lançado em março
GOVERNO DO ESTADO

Pacote de R$ 3 bilhões em
obras será lançado em março

Horror de Auschwitz resiste, 75 anos depois
MUNDO

Horror de Auschwitz resiste, 75 anos depois

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião