Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CRISE

Venezuela impõe restrições para gastos no exterior

24 JAN 14 - 19h:00

O governo da Venezuela anunciou hoje (24) reduções no limite para gastos com cartões de crédito e saques feitos por venezuelanos que viajarem ao exterior. Já publicada na Gazeta Oficial, a medida faz parte do novo sistema cambial e tem o objetivo de proteger a economia do país da especulação financeira, refletida na desvalorização da moeda oficial, o bolívar, frente ao dólar e na operação de um mercado paralelo da moeda norte-americana.

Segundo a Gazeta, em viagens para a África, Ásia, Europa e Oceania, os venezuelanos terão disponíveis US$ 1mil para permanência de um a sete dias e de US$ 3 mil, para oito dias ou mais. Se o destino forem países das Américas e do Caribe, o total permitido é US$ 1 mil, para viagens até três dias; US$ 2 mil, para quatro a sete dias, e US$ 2,5 mil para mais de oito dias.

Viagens para o estado da Flórida, nos Estados Unidos, as ilhas de Aruba, Curaçao e Bonaire, além da Colômbia, da Costa Rica, do Panamá e do Peru têm também limite nos gastos permitidos– em períodos abaixo de sete, os gastos limitam-se a US$ 500 e, acima disso, a US$ 700.

Os destinos com limite menor são os mais procurados pelos venezuelanos que viajam para fazer movimentações em dólar, especialmente para comprar a moeda e depois, movimentá-la no mercado paralelo, com valorização de até oito vezes sobre o câmbio oficial.

A permissão para compras pela internet também foram reduzidas para US$ 300. Até o fim do ano passado, o limite era US$ 400 por pessoa. O governo ressaltou, no diário oficial, que, com a medida, “avançará no objetivo de deter a fuga de capitais do país e combater a guerra econômica, além de preservar o fluxo do dólar no mercado oficial.”

Outra mudança é na prioridade da outorga de dólares pelo órgão de controle monetário. Segundo o vice-presidente para a Área Social, Rafael Ramírez, 80% das divisas autorizadas este ano destinam-se a setores prioritários para a população, como educação, saúde e alimentação.

“Estamos disponibilizando US$ 42,7 bilhões [para todos os setores da economia, incluindo pessoas físicas]. É um pouco mais do que havíamos disponibilizado no ano passado. Deste total, mais de US$ 31 bilhões estão reservados [a uma taxa de 6,30 bolívares por dólares] para os elementos essenciais da nossa economia”, explicou. Os 20% restantes, o equivalente a US$ 11,4 bilhões, serão outorgados pelo Sistema Complementar de Administração de Divisas, que prevê leilões de US$ 220 milhõespor semana.

De acordo com o governo, todas as medidas de fixação de limites e controle visam a evitar que dólares sejam usados para alimentar o mercado paralelo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Exposição resgata memórias do Pantanal
HISTÓRIA

Exposição resgata memórias do Pantanal

SAÚDE

Pouco invasiva, técnica brasileira inova ao usar 'prótese bovina' para coração

CIÊNCIA

Pesquisadores demonstram beneficios do lítio para idosos com Alzheimer

Confira o seu astral para esta segunda-feira
OSCAR QUIROGA

Confira o seu astral para esta segunda-feira

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião