BALANÇO

Vendas em shoppings desaceleraram

Vendas em shoppings desaceleraram
30/01/2014 16:15 - FOLHA PRESS


O faturamento com as vendas em shoppings centers chegou a R$ 192,2 bilhões em 2013, uma alta de 8,6% em relação ao ano anterior. O índice mostra uma desaceleração do setor no país: em 2012, essa alta havia sido de 10,6% e em 2011, de 18,7%, nas comparações anuais.

Os dados foram divulgados hoje pela Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers), que adota um tom otimista. "Os shoppings brasileiros atravessaram mais um ano de crescimento acima do comércio varejista e da inflação", afirma, em nota, Luiz Fernando Veiga, presidente da instituição. O Sudeste é a região com maior faturamento nesses estabelecimentos (R$ 75,9 bilhões), seguida pelo Sul (R$ 18,9 bilhões), Nordeste (R$ 18,9 bilhões), Centro-Oeste (R$ 10,3 bilhões) e Norte (R$ 5,1 bilhões).

As vendas cresceram a um ritmo menor mesmo com o espaço disponível para lojas ter crescido a uma taxa maior em 2013. No ano passado, o Brasil chegou a 12,9 milhões de metros quadrados de área bruta locável, uma alta de 13,5% ante o ano anterior. Em 2012, esse índice havia sido de 10,2%.

No ano passado, de acordo com a Abrasce, foram inaugurados 38 shoppings, um recorde para o setor. No total, o país tem 495 desses empreendimentos espalhados por 173 cidades. Metade deles estão em cidades que não são capitais de Estados.

Neste ano, a previsão é de que sejam inaugurados 40 novos centros de compras, sendo 30 em cidades que não são capitais.
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".