Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

Vendas de automóveis têm melhor mês de julho da história

2 AGO 2012Por terra07h:00

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) divulgou nesta quarta-feira que as vendas de veículos no País, impulsionadas pelas medidas de incentivo do governo federal, bateram o recorde histórico para o mês de julho. Ao todo, foram emplacados 351.410 unidades em julho, alta de 22,04% ante o mesmo mês de 2011.

Já em relação a junho, a alta nas vendas foi de 3,15%. O acumulado dos sete primeiros meses deste ano apresentou alta de 3,01% ante o mesmo período do ano passado.

Somando os emplacamentos de automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas e implementos rodoviários, o total de unidades em julho foi 5,35% superior a junho, ao fechar o mês com 506.987 unidades.

Comparando-se com junho, a alta foi de 7,47% maior, enquanto que no acumulado do ano, a Fenabrave verificou queda de 1,85% ante o período janeiro-julho de 2011, com 3,098 milhões de unidades emplacadas.

"Até as medidas, o resultado era negativo e os números atuais mostram a importância da soma de esforços entre governo, iniciativa privada e instituições financeiras", afirmou em nota Flávio Meneghetti, presidente da entidade.

A principal medida anunciada pelo governo foi a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os veículos produzidos no País a partir de maio. Nos veículos 1.0 a alíquota do IPI foi alterada de 7,0% para zero, de 1.0 a 2.0 veículos flex passou de 11% para 6,0% e os importados flex de 1.0 a 2.0 de 41% para 35,5%. A redução na tributação irá até agosto. Além da redução das alíquotas, o Banco Central liberou R$ 18 bilhões em depósitos compulsórios para financiamento de automóveis.

Ontem, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que julho seria o melhor da história para as montadoras de veículos no Brasil.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também