Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

Sofisticação

Venda de smartphones cresce 85%, com Android na liderança

19 MAI 2011Por folha23h:30

No primeiro trimestre deste ano foram vendidos 427,8 milhões de dispositivos móveis de comunicação para usuários finais, diz o Gartner --um aumento de 19% em relação ao mesmo período de 2010.

Desses aparelhos, 23,6% são smartphones -segmento que viu um expressivo aumento de 85% no número de unidades vendidas, alcançando quase 100,8 milhões no primeiro trimestre de 2011.

A venda de smartphones poderia ser ainda maior, mas o Gartner acredita que alguns consumidores decidiram esperar pelo lançamento de aparelhos mais sofisticados que foram anunciados justamente durante o período da pesquisa.

Fabricantes

No mercado de celulares em geral, a líder Nokia continua a perder terreno -teve queda tanto no número absoluto de unidades vendidas (107,6 milhões contra 110,1 milhões) quanto em fração do mercado (25,1% contra 30,6%). A Samsung, segunda colocada, cresceu em número de vendas, mas perdeu participação.

Apple (quarta colocada), ZTE (sexta) e HTC (sétima) tiveram aumento tanto no número de unidades vendidas quanto em fração do mercado. A primeira vendeu cerca de 16,9 milhões de celulares iPhone no primeiro trimestre deste ano (contra 8,3 milhões no mesmo período de 2010) e aumentou sua participação de 2,3% para 3,9%.

Plataformas

Entre os smartphones, o plataforma líder é o Android, que equipa cerca de 36,3 milhões ou 36% das unidades vendidas -há um ano, estava na quarta colocação, com participação de 9,6%.

Em segundo vem o ex-líder Symbian, que caiu de 44% para 27,4% do mercado, seguido pelo iOS (que cresceu de 15,3% para 16,8%) e o BlackBerry (que caiu de 19,7% para 12,9%).

A Microsoft viu sua participação diminuir de 4,4% para 3,3%. Dos 3,7 milhões de smartphones vendidos com um sistema da empresa, apenas 1,6 milhão tinham Windows Phone.

O Gartner lembra que a grande notícia do primeiro trimestre de 2011 no mercado de smartphones foi a aliança estratégica entre Nokia e Microsoft, dois gigantes que têm perdido terreno e lutam para se recuperar.

Leia Também