Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SUCESSÃO PRESIDENCIAL

Vazamentos de dados transforma eleição em caso de polícia

13 SET 10 - 13h:56
Brasília

Educação, saúde, economia, segurança. Falta pouco menos de um mês para a eleição, mas temas tradicionais como estes parecem ter perdido espaço nos discursos e estão cada vez menos na ponta da língua dos candidatos mais bem colocados nas pesquisas da disputa presidencial. Nas últimas semanas, o noticiário político virou caso de polícia. Em vez de propostas, ideias e promessas, os candidatos têm se dedicado mais a fazer e a rebater críticas e acusações sobre o vazamento de dados fiscais na Receita Federal.
O caso acentuou a polarização entre os candidatos do PSDB, José Serra, e do PT, Dilma Rousseff. O tucano acusa a campanha da adversária de ser responsável pelo acesso e vazamento de informações sigilosas de pessoas ligadas a ele, dentre as quais sua filha, Verônica, e o marido dela, o empresário Alexandre Bourgeois.
Dilma, em contrapartida, nega qualquer envolvimento. Ela tem dito, repetidas vezes, que a oposição usa acusações falsas e cria factoides para tentar atingir sua candidatura. A ex-ministra lidera as pesquisas e tem chances de se eleger presidente ainda no primeiro turno.
Quem fica no meio deste fogo cruzado, que conta também com eventuais participações de Marina Silva (PV) e Plínio de Arruda Sampaio (PSOL), é o eleitor, que, para especialistas ouvidos pelo portal de notícias R7, acaba sendo o maior prejudicado pela situação.
O professor Marco Antônio Teixeira, da FGV (Fundação Getúlio Vargas), lamenta a atitude dos candidatos de estarem abdicando de discussões políticas para dar prioridade ao caso da Receita. “Parece que a eleição acabou. Você não tem debate eleitoral. O debate está muito mais no campo policial. É lamentável, sobretudo porque não estamos discutindo questões mais importantes, como ideias, programas e projetos”, ressaltou.
Na opinião do advogado constitucionalista Luiz Tarcísio Ferreira, professor da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo, tanto os candidatos quanto a imprensa estão errando ao dar atenção excessiva a um caso que, segundo ele, sequer pode ser chamado de “escândalo” e que diz respeito apenas à Receita Federal. “Houve quebra de sigilo, provavelmente [feito] por funcionários subalternos, algo que não devia acontecer e que é um crime que deve ser investigado. Agora, a repercussão que isso está trazendo, ou que estão tentando trazer para o processo eleitoral, não condiz com o debate que devia estar sendo travado. Qualquer vazamento é crime, mas não tem essa gravidade que estão querendo empregar”, comentou.
Para ele, por mais que o assunto seja colocado no noticiário e na propaganda eleitoral de rádio e televisão, o eleitor muito dificilmente mudaria seu voto em função disso. “Não me parece que este caso, pelas características, possa alimentar uma repulsa popular que mudasse o cenário de qualquer coisa. Então, parece até um equívoco que os candidatos estejam dando a isso uma dimensão que não tem”, opinou.
Teixeira tem uma opinião parecida, mas ressalta que será necessário esperar as próximas pesquisas para medir com mais exatidão o impacto sobre a escolha do eleitor. Ele também chama a atenção para o fato de que, até o momento, não foi comprovado nenhum elo entre o vazamento de dados e pessoas da campanha de Dilma. “Isso não é suficiente para alterar de forma significativa as tendências de uma decisão política que já havia se consolidado. Você pega o caso dos aloprados [de 2006], que também foi muito perto do processo eleitoral, ele talvez tenha sido decisivo para haver segundo turno, mas não alterou o resultado da eleição [o presidente Lula foi reeleito]”, lembrou.
O professor da FGV aponta para fatores que, em sua visão, pesam mais para determinar o resultado que sairá das urnas. “Se o País está indo bem, se ele [o eleitor] sente isso no bolso e na mesa, ele faz um cálculo extremamente racional. Eu preciso ter um motivo muito forte para mudar”, afirmou. (
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MS tem melhor saldo de empregos em julho desde 2012
CAGED

MS tem melhor saldo de empregos em julho desde 2012

Próximo ao Mercadão prédio deve entrar no Retrofit
HABITAÇÃO

Próximo ao Mercadão prédio deve entrar no Retrofit

QUEIMADAS

MS irá contratar 91 brigadistas para combater incêndio no Pantanal

Governo disse que pode fazer parceria com Exército
Sejusp estuda adoção do novo modelo de RG em Mato Grosso do Sul
MUDANÇA

Sejusp estuda adoção do novo modelo de RG em MS

Mais Lidas