Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

DIFICULDADE

Vazamento interdita salas e Santa Casa suspende cirurgias

12 DEZ 2010Por bruno grubertt00h:00

Um vazamento no sistema de caixas d’água da Santa Casa de Campo Grande fez o Corpo de Bombeiros interditar as 16 salas do centro cirúrgico do hospital ontem de manhã. Inicialmente, o problema havia afetado apenas uma das salas, porém, como a água que vazou atingiu o sistema elétrico e havia riscos de curto-circuito, as outras salas também tiveram de ser fechadas. Somente as cirurgias mais urgentes foram feitas em duas salas improvisadas até o fim da tarde, quando houve liberação parcial de 14 salas. Em média, são feitas mais de 60 intervenções por dia na unidade.

Ontem à tarde, pelo menos 22 pacientes da ortopedia aguardavam no corredor do setor para passar por cirurgia. Alguns deles estavam na espera há mais de um dia. Este é o caso do irmão de Wagner de Oliveira Teodorico, de 52 anos. De acordo com ele, seu irmão rompeu um ligamento da mão em um acidente de trabalho. Por conta da cirurgia, ele teve de ficar em jejum desde as 14h30min de sexta-feira e teria de ser operado às 20 horas daquele dia. Até o fim da tarde de ontem, o irmão de Wagner ainda não havia sido operado.

A Santa Casa informou que o problema começou na noite de sexta-feira, quando um vazamento ocorrido sobre uma das salas de cirurgia fez com que o abastecimento de água ficasse parcialmente suspenso. O hospital disse que o problema era somente "uma goteira".

O serviço de manutenção do hospital teria esvaziado uma das cinco caixas d’água, onde ocorreu o problema, e desviado um dos canos com objetivo de garantir a normalidade da distribuição de água ao segundo andar, onde fica o centro cirúrgico. No entanto, o cano não suportou a pressão, cedeu e o incidente fez com que a laje do andar ficasse inundada. Com isso, a água começou a infiltrar pelo teto, passou até pela tubulação elétrica e saiu pelas tomadas.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e interditou todo o centro cirúrgico, apesar de o problema, segundo a Santa Casa, ter ocorrido apenas em uma das salas. Familiares de pacientes ouvidos pela reportagem disseram que parte do teto de gesso da sala onde o problema ocorreu teria caído, enquanto um paciente era operado. A informação foi negada pelo hospital.

Crítico
Por conta do problema, duas salas destinadas à cirurgias oftalmológicas (nos olhos) começaram a ser usadas para procedimentos em pacientes com mais gravidade. Mesmo assim, a estrutura não é suficiente para atender à demanda, que aumenta ainda mais nos fins de semana, devido ao número elevados de acidentes de trânsito.

A Santa Casa informou que havia comunicado o problema à central de regulação de vagas, que é responsável por definir para qual hospital pacientes atendidos nos postos de saúde ou pelas ambulâncias serão encaminhados. O problema é que algumas cirurgias só podem ser feitas na Santa Casa. O hospital é, por exemplo, referência para atender pacientes com traumas — fraturas, cortes e outros ferimentos — e, por isso, quem enfrenta esses problemas só pode ser levado para lá. Por isso, pode haver problemas mais graves se as salas não forem liberadas.

Liberação
No fim da tarde de ontem, um engenheiro eletricista, contratado pela Santa Casa, analisou as estruturas e elaborou um laudo que foi entregue aos bombeiros.

Por volta das 18 horas, 14 salas foram liberadas e as cirurgias retomadas, de acordo com informações do hospital. Ainda assim, algumas delas terão de passar por intervenções, já que o acabamento de gesso ficou danificado.

Leia Também