Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Vasco tem recurso por impugnação de jogo da queda negado pelo STJD

27 DEZ 13 - 16h:15terra

O Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva votou nesta sexta-feira o recurso pedido pelo Vasco para impugnação da partida contra o Atlético-PR, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Goleado por 5 a 1 na ocasião, o clube cruzmaltino queria os pontos do jogo após uma verdadeira bárbarie ocorrer nas arquibancadas, quando torcedores de ambos os times entraram em pancadaria que paralisou o jogo por 73 minutos. O STJD, contudo, rejeitou a tese, manteve o resultado de Joinville e, consequentemente, o rebaixamento vascaíno.

A advogada do Vasco, Luciana Lopes, começou a defesa do clube afirmando que o time cruzmaltino "não quer tapetão ou virar a mesa". A profissional diz que a partida não poderia ter sido reiniciada por termos de segurança, "indo contra o Estatudo do Torcedor", além de atacar a CBF ao dizer que a entidade deu condições de jogo a um estádio sem as menores condições. Citou, ainda, que a torcida do Atlético-PR proibiu a ida de mulheres e crianças ao jogo por premeditar a briga.

Depois, o promotor Paulo Schmidt argumentou que as federações paranaense e catarinense ainda podem ser punidas pela confusão em Joinville. Schmidt defendeu que o árbitro considerou ter condições de jogo após a intervenção policial. "Não sou psicopata, mas vi um time empatar o jogo, depois não conseguir o resultado em campo e tentar agora impugnar a partida", apontou.

O advogado do Atlético-PR, Domingos Moro, por sua vez, ironizou a tentativa de mudar o resultado do confronto por parte do Vasco. "Na leiteria mineira tem creme de milho e creme de espinafre. São coisas diferentes", declarou. "Ou você anula a partida, ou você muda o resultado. O Vasco quer modificar um resultado, pois anular a partida não adiantaria. Transformar uma derrota numa vitória, seria possível?", acrescentou.

Na hora da votação, o relator Ronaldo Piacente rebateu o argumento da defesa vascaína de que o estádio não apresentava condições dizendo que "não há nenhum laudo que diga o contrário". O profissional ainda retrucou a ideia de que o árbitro excedeu o tempo permitido para retomar a partida. Os demais auditores foram de acordo com Piacente, rejeitando o recurso vascaíno e mantendo o clube rebaixado à Série B.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ANOS 90

Com torneio como opção por vagas no Mundial, CBF é contra volta da Supercopa

Torneio reunia os campeões da Copa Libertadores
ESTADOS E MUNICÍPIOS

Bolsonaro sanciona lei que divide recursos do megaleilão do petróleo

Capital pede mais investimentos na área de infraestrutura
GOVERNO PRESENTE

Capital pede mais investimentos na área de infraestrutura

Presidente do Ibama diz que derramamento de óleo é situação inédita
PRAIAS DO NORDESTE

Presidente do Ibama diz que derramamento de óleo é situação inédita

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião