REFORÇOS

Vasco compra Eder Luis e Fellipe Bastos

Vasco compra Eder Luis e Fellipe Bastos
20/06/2012 00:00 - band


Enfim, a expectativa quanto à permanência de Eder Luis e Fellipe Bastos acabou com um final feliz para a torcida vascaína. Na manhã desta terça-feira, o Vasco oficializou a aquisição dos direitos econômicos da dupla. O diretor executivo do clube, Daniel Freitas, confirmou a permanência dos jogadores, além de dar detalhes sobre os novos vínculos firmados.

 

“O Vasco adquiriu 100% dos direitos econômicos do Fellipe Bastos, que acertou um contrato com o clube por cinco temporadas. No caso do Eder, também acertamos a compra de 100% dos direitos, com um contrato de quatro anos. As negociações foram acertadas com a ajuda de investidores, que são parceiros do clube”, explicou o dirigente.

 

Emprestados ao Gigante da Colina na última temporada, o Benfica (POR), dono dos direitos federativos dos jogadores, relutou quanto a um novo empréstimo – que se encerra no próximo dia 30 de junho -, impondo uma negociação dos atletas em definitivo.

 

Com isso, o Vasco iniciou uma longa tratativa nos últimos meses, sempre afirmando que a boa relação com o clube português facilitaria um desfecho positivo. Sem revelar os valores envolvidos nas negociações e a repartição dos direitos dos jogadores, Daniel Freitas garantiu que o clube está protegido quanto a propostas do exterior.

 

“O Vasco está protegido quanto a isso. Temos a maior parte dos direitos dos jogadores. Eles só sairão em caso de ofertas irrecusáveis. Mas temos preferência na permanência da dupla”, alegou.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".