segunda, 23 de julho de 2018

NOVEL

Vargas Llosa espera que Dilma seja menos complacente com ditaduras

3 NOV 2010Por CRISTINA MEDEIROS19h:23

O prêmio Nobel de Literatura, o escritor peruano Mario Vargas Llosa, disse nesta quarta-feira, em Madri, esperar que a presidente eleita o Brasil, Dilma Rousseff, faça "uma política externa diferente" da praticada pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

E isto significa "menos complacência com as ditaduras", reiterou o escritor na apresentação de seu novo romance, "El Sueño del Celta" ("O Sonho do Celta", em tradução livre).

Sobre a Argentina, considerou, "está consumida numa crise com indícios de que não vá sair", atribuindo a situação ao "sistema praticamente monopólico de poder", representado pelo peronismo.

Segundo ele, a Argentina "era um país desenvolvido, próspero", e "foi se tornando subdesenvolvido por motivos puramente políticos", pela "incompetência de seus líderes, pelas políticas que foram empobrecendo uma nação que era, antes, exemplo para toda a América Latina".

"Para mim isso tem um nome, peronismo, ainda muito popular na Argentina, a ponto de substituir praticamente a palavra política", lamentou.

"Enquanto a Argentina não deixar para trás essa experiência fundamentalmente populista e um sistema praticamente monopólico de poder, não vai decolar nem recuperar o que um dia foi", sentenciou, dias depois do falecimento do ex-presidente Néstor Kirchner, esposo da atual presidente, Cristina Fernández, ambos peronistas.

Leia Também