Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Valter Pereira: “não subo no palanque de André Puccinelli”

28 JUN 10 - 06h:22
adilson trindade e fernanda brigatti

Ao deixar a convenção regional do PDT, o senador Valter Pereira (PMDB) não escondeu a sua mágoa com o governador André Puccinelli (PMDB) por prejudicá-lo nas prévias que indicaram o candidato do partido ao Senado. “Não subo no palanque de André”, declarou. Ele não participou da convenção do PMDB, mas fez questão de prestigiar e discursar na do PDT. Em tom irônico, disse que “cumpro um ritual, passei por lá (pela convenção do PMDB). Passei de avião”.

O senador evitou dar declaração de apoio explícito à candidatura do ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) na sucessão estadual. Mas no discurso, disse que estará lutando pela “vitória da democracia sobre a arrogância”.

O que está definido por Valter é a sua ausência na campanha do governador André Puccinelli. E não pretende voltar atrás de sua decisão. “Com o governador estou rompido. Rompimento é rompimento”, disse, em entrevista aos jornalistas. “Eu não ia subir na tribuna do Senado para depois subir no palanque dele. Na campanha  do André, eu não entro. Não subo, não subo”, ressaltou o senador, que é um dissidente assumido do PMDB decidido a trabalhar pela derrota do candidato do seu partido na sucessão estadual.

Mas admite que terá de votar em um candidato a governador. A candidatura de José Orcírio seria uma opção para ajudar a impedir a reeleição do seu desafeto, André Puccinelli. Ele não assumiu, pelo menos publicamente, a sua intenção de apoiar o candidato petista.
Questionado se fará campanha de José Orcírio, o senador peemedebista saiu pela tangente. “Entre a iniciativa de prestigiar a convenção (do PDT, coligado com o PT) e entrar em uma campanha tem uma distância muito grande”, explicou, de forma genérica. Ele não diria que a sua participação na convenção seria também indicativo de, no decorrer da campanha eleitoral, assumir a candidatura de José Orcírio. O senador considera a sua atitude de comparecer à convenção a “um gesto de cortesia”.

Mas muda de tom quando perguntado se vai fazer a campanha de Dilma Rousseff, em Mato Grosso do Sul, para a Presidência da República. “Eu subo no palanque da Dilma”, declarou. Ele deixou claro, com isto, que estará distante da campanha do tucano José Serra na corrida presidencial, contrariando a orientação do PMDB local de se aliar ao PSDB.

No palanque de Dilma, ele admite dividir o mesmo espaço com o ex-governador José Orcírio. Mas fugiu, de novo, das perguntas de apoiar o candidato petista na sucessão estadual. “Eu falei aqui dos compromissos nacionais”, esquivou-se o senador.

Senado
Valter não estará engajado na campanha do deputado federal Waldemir Moka (PMDB) na disputa para o Senado. Ele vai estar empenhado em derrotá-lo apoiando a candidatura do senador Delcídio do Amaral (PT) e do deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT). Valter sentiu-se à vontade na convenção do PDT, fez discurso em defesa da eleição dos dois candidatos a senador.

E num discurso contundente, Valter declarou estar prestando homenagem a um partido que é democrático. “Presto aqui a minha homenagem. Foi desenhado lá em Brasília um projeto comum que se alastrou País afora. Tem a consonância que garanta a vitória da democracia sobre a arrogância, a vitória da democracia e da liberdade, que é isso que a população do Brasil e de Mato Grosso do Sul esperam”, afirmou.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CASO DO TRIPLEX

PGR envia ao STJ parecer contra anulação da condenação de Lula

SAÚDE PÚBLICA

OMS declara emergência internacional por surto de ebola no Congo

Reviva tem 77% das obras <br>concluídas na 14 de Julho
CAMPO GRANDE

Reviva tem 77% das obras
concluídas na 14 de Julho

Mandetta lançará programa inédito em Campo Grande na segunda-feira
SAÚDE

Mandetta lançará programa inédito em Campo Grande

Mais Lidas