CIDADES

Usuário de drogas põe fogo em enfermaria

Usuário de drogas põe fogo em enfermaria
04/04/2010 19:51 -


NADYENKA CASTRO

 

Paciente do Hospital Regional Rosa Pedrossian (HR), em Campo Grande, um usuário de drogas de 20 anos colocou fogo na enfermaria que ele ocupava, por volta das 9 horas de ontem. Nem ele, nem os outros 17 pacientes da ala B do quinto andar tiveram queimaduras, mas todos precisaram ser retirados do local.

De acordo com o diretor-presidente do hospital, médico Ronaldo Preches Queiroz, o jovem provocou o incêndio após causar curto-circuito com dois fios da rede de energia elétrica. Funcionários disseram que o rapaz tentou acender uma bituca de cigarro com os fios e acabou incendiando um dos colchões do quarto. Ronaldo Queiroz não soube explicar onde e como o rapaz conseguiu os fios. Outro paciente foi visto saindo do quarto, mas, a princípio, ele não tem relação com o incêndio.

O fogo se alastrou pela enfermaria e destruiu as duas camas, três luminárias, danificou as janelas e deixou as paredes cinzas. Quartos vizinhos também ficaram acinzentados. Funcionários controlaram o incêndio e, quando o Corpo de Bombeiros chegou, só fez o rescaldo e avaliação técnica. Pelo menos seis viaturas foram mobilizadas para a ocorrência.

Os 15 pacientes da ala B saíram do local pela escada, com ajuda dos trabalhadores do hospital. Houve um princípio de pânico e todos foram levados para o saguão principal do nosocômio. No saguão, o jovem que colocou fogo ainda tentou fugir.

Segundo Ronaldo Queiroz, durante a semana, três pacientes tiveram alta e este rapaz não se conformou por ter ficado e então quis incendiar o hospital para conseguir retornar para casa. O médico não soube dizer há quanto tempo o jovem estava internado. A Polícia Militar e a Polícia Civil foram acionadas e o usuário de drogas pode responder por ter incendiado a enfermaria que ocupava.

 

Providências

Conforme o diretor-presidente do HR, os 15 pacientes serão encaminhados para outros locais que atendem dependentes químicos, até que a situação no hospital seja regularizada. Por causa do incêndio, a energia elétrica e o oxigênio que atendiam a ala b foram suspensos temporariamente. A previsão é que a enfermaria destruída pelo fogo esteja pronta para ser utilizada novamente em até 20 dias.


Atendimento

O HR atende dependentes químicos e de álcool que precisam de internação. Eles ficam no nosocômio, em média, 15 dias. A capacidade é para 18 pacientes que ficam divididos em nove enfermarias da ala B do quinta andar. Na ala A do mesmo andar, fica a maternidade, inclusive a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Neonatal. As duas alas ficam a cerca de 10 metros de distância e entre elas há parede e grade. De acordo com Ronaldo Queiroz, o incêndio não comprometeu os trabalhos da ala A.

O diretor-presidente do HR explica que o objetivo é acabar com o serviço de internação de dependentes químicos. Segundo ele, está sendo negociado com a Secretaria de Estado de Saúde o fim do serviço. A intenção é usar os 18 leitos para atendimentos a outros tipos de pacientes. O HR quer ainda instalar no pronto-socorro, que está em reforma, 12 leitos para atender dependentes em estado crítico, que possam ficar no local por, no máximo, três dias, e depois sejam transferidos.

Conforme Ronaldo Queiroz, incidentes de pequenas proporções com dependentes químicos já aconteceram outras vezes.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".