segunda, 16 de julho de 2018

AÇÚCAR E ETANOL

Usinas retomam investimentos de R$ 8 bi

29 NOV 2010Por Edivaldo Bitencourt04h:40

Com o fim da crise econômica mundial iniciada em 2008, empresas retomaram os projetos para investir cerca de R$ 8 bilhões na construção de 20 novas usinas de açúcar e álcool em Mato Grosso do Sul. Os novos empreendimentos vão, no mínimo, dobrar o atual parque sucroalcooleiro, de 21 para 41, e criar 30 mil novos empregos. Além disto, empresas analisam propostas para retomar outros 31 projetos, suspensos em decorrência da recessão iniciada nos Estados Unidos, que poderão exigir aporte de aproximadamente R$ 18 bilhões.

De acordo com o superintendente de Indústria, Comércio e Serviços da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Agrário e da Produção (Seprotur), Jonathas Soares de Camargo, sete unidades vão começar a operar em, no máximo, 12 meses. A Usina Aurora Açúcar e Álcool, em Anaurilândia, com investimento de R$ 156 milhões e criação de 1,9 mil empregos, está na fase de testes e poderá entrar em funcionamento este ano. As outras seis vão investir R$ 2,3 bilhões, com previsão de gerar 7.539 empregos até o fim de 2011 em Costa Rica, Dourados, Eldorado, Fátima do Sul, Ivinhema e Paranaíba. Outras 13 usinas poderão acelerar ou atrasar as obras de acordo com a perspectiva do mercado nacional e estrangeiro.

O diretor executivo da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), Antônio de Pádua Rodrigues, explica que não houve investimento novo após a crise, apenas a retomada dos projetos antigos. Alguns foram abortados. Este é o caso das duas unidades que seriam construídas pela Brenco em Paranaíba. O grupo foi adquirido pela ETH Bionergia, do grupo Odebrechet, que abortou um dos projetos e manterá outro, segundo Camargo. No entanto, Paranaíba só deverá ganhar a primeira usina do ETH em 2012.

Rodrigues explica que o setor ainda aguarda a credibilidade do mercado para intensificar os investimentos. O mais estratégico sã os Estados Unidos, que aplicam tarifas pesadas para o etanol brasileiro não concorrer com o produto gerado a partir do milho. Em segundo está a Europa, que vem buscando alternativas para o petróleo e pode adotar o “combustível verde” brasileiro. Para a Unica, o mercado interno está aquecido, principalmente pela comercialização de carros flex, mas ainda carece de melhora na infraestrutura de transportes.

Emprego qualificado
Mato Grosso do Sul dobrou o número de usinas em quatro anos, com 21 plantas em operação, que empregam 44,9 mil pessoas e com capacidade para moer 47,9 milhões de toneladas de cana por ano. Em quatro anos, o número poderá dobrar novamente, com a concretização dos R$ 8,097 bilhões em investimentos. O número de postos de trabalho deve crescer 66%, chegando a 75 mil vagas.

Apesar da mecanização reduzir em 50% o número de empregos, o superintendente de Indústria ressalta que a medida é excelente porque dobra o valor médio dos salários ao exigir trabalhadores mais qualificados. A meta é passar dos atuais 400 mil para 1 milhão de hectares de cana-de-açúcar. 

Leia Também