Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Unicef denuncia rapto de ao menos 15 crianças em hospitais do Haiti

Unicef denuncia rapto de ao menos 15 crianças em hospitais do Haiti
23/01/2010 07:54 -


O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) denunciou ontem o rapto de ao menos 15 crianças em hospitais do Haiti, país devastado por um terremoto de magnitude 7 no último dia 12. “Infelizmente constatamos o rapto de 15 crianças em diferentes hospitais do Haiti e suspeitamos de que foram sequestradas por redes de tráfico de pessoas por meio de Santo Domingo”, afirmou em entrevista a jornalistas Jean-Claude Legrand, assessor de proteção da infância do Unicef. A metade da população do país caribenho – que já antes do terremoto era o mais pobre do continente americano – é de menores de 18 anos. O Unicef estima que 2 milhões de crianças tenham sido afetadas pelo terremoto e apoiou a saída rápida dos menores cujos processos de adoção foram concluídos antes da tragédia, mas advertiu que “qualquer precipitação pode ser prejudicial”. Segundo Legrand, o tráfico de crianças já existia no Haiti antes do terremoto, com vínculos com redes internacionais de adoção ilegal. Os traficantes, contudo, aproveitam tragédias como o terremoto para roubar crianças que ficaram órfãs ou cujos parentes ainda não foram encontrados. “Tivemos o mesmo problema no tsunami ”, disse Legrand, se referindo à onda que atingiu a Ásia em 2004. “Estas redes se ativam assim que ocorre uma catástrofe e aproveitam a debilidade na coordenação dos responsáveis no local para sequestrar as crianças e tirá-las do país”.

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!