Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DRAMA

Unicef alerta para risco de 2 mil crianças sírias refugiadas morrerem de fome

Unicef alerta para risco de 2 mil crianças sírias refugiadas morrerem de fome
25/02/2014 18:30 - AGÊNCIA BRASIL


Cerca de 2 mil crianças sírias refugiadas no Líbano correm risco de morrer de fome se não receberem auxílio imediato, informou hoje (25) o Fundo das Agência das Nações Unidas para a Infância (Unicef). A agência da ONU alertou para a iminência de uma crise de desnutrição. “A desnutrição é uma ameaça nova e silenciosa entre os refugiados no Líbano”, disse a representante da Unicef na capital libanesa, Beirute, Annamaria Laurini.

De acordo com ela, o problema está relacionado com a falta de higiene, de água potável, de medidas de imunização eficazes e práticas de alimentação apropriadas para crianças. Aproximadamente 1 milhão de refugiados sírios, incluindo 2 mil crianças, estão refugiados no Líbano.

Com uma população de 4 milhões de pessoas, o Líbano tem visto seus já limitados recursos levados ao limite pelo afluxo de refugiados. Um estudo feito pelo Unicef em outubro e novembro do ano passado mostrou que cerca de 2 mil crianças correm risco de morte e necessitam de tratamento imediato para sobreviver.

Segundo o estudo, as regiões mais afetadas estão no Leste do país, onde os casos de desnutrição severa duplicaram nos últimos dois anos. O documento também alertou para a chegada de mais refugiados e para o aumento do preço dos alimentos, que poderia deteriorar ainda mais a situação.

De acordo com o representante do Unicef para Saúde e Nutrição, Zeroual Azzedine, crianças com menos de 5 anos são as mais vulneráveis à desnutrição, particularmente aquelas que vivem em condições difíceis nos campos. “A criança que sofre de desnutrição não tem apetite, não quer comer, porque a desnutrição começa por afetar o cérebro. Mesmo que a criança esteja rindo e brincando, a desnutrição a afeta de forma silenciosa”, explicou Azzedine.

*Com informações da Agência Lusa

Felpuda


Espalhar notícias ruins tornou-se muito mais rápido com o uso da tecnologia, e, além disso, não se trata mais de ações dos adversários. Isso é o que pôde ser visto ultimamente, quando a tchurminha do “aliado” tratou de deixar muita gente informada sobre o que a chamada "grande imprensa” tinha publicado, enviando notícias pelo WhatsApp e postando nas mídias sociais. E assim caminha a humanidade...