Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Um mal silencioso

26 ABR 10 - 22h:03
O Ministério da Saúde estima que a cada cinco pessoas, uma é hipertensa no Brasil porém boa parte desse número desconhece que sofre do mal. A doença é silenciosa e é mais comum na terceira idade, em mulheres após a menopausa e em idosos, sendo que 75% das pessoas acima  dos 70 anos são hipertensas. “O perigo da hipertensão é que ela não se manifesta logo no início e quando os sintomas aparecem muito tarde já existe o comprometimento de órgãos-alvos, como os rins, o coração e o cérebro”, alerta a cardiologista e professora da Universidade Nove de Julho  Josiane Motta e Motta.
A predisposição familiar, ou seja, a hereditariedade corresponde a 95% dos casos da hipertensão primária. Já os outros 5%  ficam por conta da hipertensão secundária, que surge por motivos específicos, como obesidade, gravidez, uso de drogas e de álcool e sal em excesso, idade avançada, sedentarismo, etc. No entanto, independente da causa ou tipo da pressão alta vale ressaltar que ela é a principal responsável por provocar  infarto agudo do miocárdio, um acidente vascular cerebral (derrame) e a falência dos rins”, alerta.

Sintomas
Se você sente dores de cabeça, na nuca, tem sangramento nasal, tonturas, visão turva e vermelhidão facial, corra para o médico, porque é sinal de que você pode estar hipertensa . “Se o aparelho apresentar a pressão acima de 140 x 90 mmHg (leia-se 14 por 9), o paciente é considerado hipertenso”, informa. Josiane lembra ainda que a Sociedade Brasileira de Cardiologia considera pré-hipertensas as pessoas com pressão arterial acima de 139 x 89 mmHg.

Consequências
Mais do que maiores chances de infarto (duas vezes mais do que uma pessoa normal) e acidente vascular cerebral (quatro vezes mais), há perigo de lesão de vários outros órgãos, como rins, cérebro, olhos e as próprias artérias. Se for o caso de uma pré-eclâmpsia, ou seja, pressão alta na segunda metade da gravidez, a atenção deve ser redobrada, porque, se não tratada, a hipertensão da futura mamãe pode levar à morte dela e do bebê. “Nesse caso, os sintomas costumam ser inchaços e excesso de proteínas na urina”, esclarece a médica.
Percebeu que não dá para marcar bobeira, certo? “95% dos casos de hipertensão não têm cura, mas têm, sim, controle”, alerta Josiane. Fique de olho nas dicas e saiba como controlar e prevenir a hipertensão!

Controle
Aos hipertensos é recomendada a mudança do estilo de vida, com a prática de exercícios físicos por, pelo menos, 20 minutos ao dia. Além da atividade física, a médica frisa que diminuir o sal é muito importante. “A recomendação é menos de cinco gramas de sal por dia. Portanto, devem ser evitados alimentos industrializados, responsáveis por 70% do sal que o brasileiro consome, e o saleiro à mesa”, orienta Josiane.
A docente diz ainda que cada nove gramas de sal geram retenção de um litro de água, o que sobrecarrega o coração. É recomendada uma dieta equilibrada, rica em frutas, verduras, potássio e em cálcio, com pouco sal e sem gordura saturada  para diminuir a hipertensão.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Governadores reiteram apoio a reformas e defendem reinclusão na da Previdência

BRASIL

Judeus reclamam do uso de símbolos por Bolsonaro

BRASIL

Moro autoriza envio da Força Nacional para combater desmatamento

BRASIL

Evangélicos cobram transferência de embaixada em Israel

Mais Lidas