quinta, 19 de julho de 2018

Um dia após assumir prefeitura, Délia já fala em disputar eleição

10 OUT 2010Por 01h:00

Fábio Dorta, Dourados

Exatamente 24 horas depois de assumir interinamente a Prefeitura de Dourados, a vereadora Délia Razuk (PMDB) admitiu entrar na disputa eleitoral caso a Justiça casse os mandatos do prefeito afastado Ari Artuzi (sem partido) e do vice Carlinhos Cantor (PR) e sejam convocadas eleições diretas. O juiz Eduardo Rocha, que assumiu a administração municipal antes de Délia, também cogitou a possibilidade de concorrer. Assim, uma eventual disputa em Dourados já teria pelo menos seis pré-candidatos.
“Eu faço parte de um partido político, o PMDB, um partido forte. Se houver eleições, as pessoas me perguntam muito se eu vou ser candidata. Olha, eu coloco meu nome à disposição do meu partido se eu estiver bem nas pesquisas”, disse Délia ontem pela manhã, em entrevista à rádio Grande FM.
Além de Délia e Eduardo Rocha, também querem disputar o cargo se houver nova eleição no município o ex-presidente da Cassems (Caixa de Asssitência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul) Lauro Davi, eleito deputado estadual, e os deputados federais Geraldo Resende (PMDB) e Marçal Filho (PMD). O vice-governador Murilo Zauith (DEM) também foi cogitado a concorrer (leia matéria na página 3A).
Segundo a prefeita interina, independente da questão política, seu objetivo é fazer um bom trabalho enquanto estiver no cargo. “Vou fazer um trabalho transparente. (...) É uma grande missão, mas tenho certeza que vou realizar um trabalho responsável. Tenho certeza que neste tempo que eu estarei à frente da prefeitura, o meu povo, a minha comunidade não vai se envergonhar”.
Délia destacou que seus principais objetivos são reorganizar a administração e resgatar a imagem do município, prejudicada com os escândalos de corrupção revelados pela Operação Uragano da Polícia Federal. No início de setembro, cerca de 30 pessoas foram presas acusadas de corrupção, entre elas o prefeito afastado Ari Artuzi, o vice Carlinhos Cantor e toda antiga mesa diretora da Câmara Municipal.
“É lamentável a situação que estamos passando, inclusive com repercussão em nível nacional. Estamos passando por um período de incertezas, de dificuldades. Mas nós queremos restabelecer a ordem no setor administrativo e fortalecer nosso município e resgatar a imagem da nossa cidade, que é a vontade da nossa população”, disse Délia.
Délia observou ainda que a situação financeira do município é muito complicada e que será necessário buscar parcerias com governo estadual e federal e ter criatividade para enfrentar os problemas. “Quando a gente é dona de casa a gente aprende muito isso. Você administra sua casa com recurso mínimo, você tem que pagar a escola do seu filho, tem que fazer a compra da tua casa, água, luz”, acrescentou a prefeita.

Secretariado e eleição
Délia Razuk disse ainda que está escolhendo os secretários municipais e assessores diretos com os quais irá formar sua equipe de trabalho e afirmou que vai demitir servidores contratados que não estejam trabalhando ou que ocupem cargos que não sejam indispensáveis ao funcionamento da máquina administrativa. O objetivo é diminuir despesas e garantir, por exemplo, o pagamento do 13º salário dos servidores. (colaborou Maria Matheus)a

Leia Também