Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 18 de dezembro de 2018

ANATEL

TV paga está em 17% das casas brasileiras

29 MAR 2011Por INFOMONEY00h:01

O número de assinantes de TV por assinatura cresceu 2,54% em fevereiro, na comparação com janeiro deste ano.

De acordo com balanço da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) divulgado ontem (28), com 251.732 novas adesões ao serviço no mês passado, o Brasil fechou o bimestre com 10.176.732 domicílios com TV paga, o equivalente a 17% das residências do País.

Considerando a média de pessoas por domicílio calculada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de 3,3 brasileiros, a agência afirma que a TV paga já é vista por mais de 33,6 milhões de pessoas.

Por região e estado
Na análise por região, o Sudeste é o destaque em número de assinantes, somando até fevereiro 6,637 milhões. Em seguida, aparece o Sul, com 1,527 milhão, e o Nordeste, com 1,034 milhão. Já o Centro-Oeste e o Norte registraram mais de 611 mil e 364 mil assinaturas em fevereiro, respectivamente.

Considerando o crescimento do número de assinantes entre fevereiro de 2010 e o mesmo mês deste ano, o destaque é o Norte, onde houve alta de 55,1% no período. O Nordeste aparece na sequência, com alta de 54,6%, enquanto no Centro-Oeste a expansão foi de 33,5%. O Sudeste e o Sul registram incremento de 28,9% e 25,9% cada um.

Na análise por estado, o Piauí apresentou o maior crescimento no número de assinantes do País, de 78,46%, na comparação com fevereiro do ano passado. O estado que registrou o segundo maior crescimento do País foi a Bahia, de 76,67%. No terceiro lugar do ranking, está o Maranhão, com aumento de 73,32%.

Tecnologia
De acordo com o balanço, considerando as tecnologias, em fevereiro, os serviços prestados via satélite cresceram 4,3%, ante uma evolução de 3,1% no mês anterior. Já o número de assinaturas de TV a cabo registrou aumento de 1,1% no mês passado. A tecnologia MMDS (micro-ondas), por sua vez, registrou queda de 0,7% no mesmo período.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também